Fito

Principais DOENÇAS do trigo e os caminhos do enfrentamento

Ocereal trigo é uma gramínea cultivada no mundo todo. No Brasil, sua maior área plantada é encontrada na Região Sul, nos estados do Paraná e do Rio Grande do Sul. De acordo com a Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo), o consumo de farinha de trigo no Brasil apresentou estabilidade em 2017, com ligeira retração de -0,42%, atingindo um total de 8,409 milhões de toneladas. Já a produção nacional de farinha respondeu por 7,964 milhões de toneladas e a importação, por 445 mil toneladas. O desafio para uma boa produtividade dessa cultura está em seu manejo, entre eles o controle de doenças, as quais podem ser transmitidas pela semente ou parte aérea das plantas, com alto poder de dano a produtividade da cultura.

Atualmente, as doenças que causam maiores danos na cultura são: oídio, que apresenta crescimento superficial de uma massa branca formada pelo micélio e conídios do fungo, e sob ataques intensos, toda a planta pode ser afetada, incluindo a espiga e as arestas; ferrugem da folha, doença fúngica que se caracteriza pelo aparecimento de pústulas com esporos de coloração amarelo-escura a marrom na superfície das folhas, a partir da emergência até o estádio de maturação, causando perdas em produtividade de grãos.

Trigo

O oídio tem crescimento superficial de uma massa branca formada pelo micélio e conídios do fungo, que, sob ataques intensos, toda a planta pode ser afetada

Além dessas manchas foliares, atribuídas a quatro diferentes doenças fúngicas, as quais são conhecidas por mancha marrom (Bipolaris sorokiniana), mancha amarela (Drechslera tritici- repentis), mancha da gluma (Stagonospora nodorum) e mancha salpicada (Septoria tritici), a giberela destaca-se entre as doenças que afetam espigas e grãos...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!