Herbert & Marie Bartz

PRECISAMOS DE NOVAS TECNOLOGIAS? A ADOÇÃO DE ALTERNATIVAS QUE JÁ EXISTEM NÃO FUNCIONA?

Herbert

Entre os problemas enfrentados para manter o sistema plantio direto (SPD)com qualidade e garantir a sua estabilidade está, principalmente, a compactação. Esta é reflexo do uso de máquinas e equipamentos inadequados ou em tempo inadequado (solo úmido demais). E, ainda, da falta de cobertura do solo, a qual alimenta a biologia do solo. Esses organismos são atores diretos e ativos sobre os processos de decomposição da matéria orgânica e da estruturação do solo, junto com o sistema radicular das plantas. Nesta edição, Herbert Bartz nos conta um pouco como foi sua experiência com a problemática da compactação lá nos anos 1980 e quais os caminhos que ele encontrou para solucionar a questão:

“Barro (argila) batido com água molda e forma tijolo, que ao sol fica seco e duro. Com fogo (calor extremo e falta de cobertura), o tijolo (solo compactado) pode virar cerâmica (impenetrável). No entanto, o tijolo tem poros e fissuras nos quais as raízes finas de determinadas plantas penetram e podem destruir o tijolo, transformando-o novamente em solo. Os programas de pesquisas de plantas de cobertura de inverno do Iapar e da Embrapa nos anos 1970 e 1980 tinham por objetivo encontrar plantas que pudessem melhorar a fertilidade do solo. Entre os achados, se destacou o nabo-forrageiro, o qual as pesquisas mostravam que auxiliava a descompactar o solo.

A sua raiz pivotante fura o solo, criando espaços, que permitem a entrada e a infiltração da água no solo. Além de possuir outro efeito, como sendo da família das crucíferas, possui um cheiro forte e o composto responsável por esse cheiro previne a emergência das sementeiras de invasoras, sendo assim, o nabo-forrageiro é considerado praticamen...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!