Glauber em Campo

ENFIM, UM NOVO PATAMAR DE PRODUTIVIDADE

Glauber

GLAUBER SILVEIRA

O Brasil vinha tendo muitas dificuldades em ultrapassar produtividade médias históricas que se consolidavam. No caso da soja, isso era ainda mais característico. Em um ano se produziam na média nacional duas sacas a mais e, no outro, lá se ia esse ganho de produtividade. E, claro, sempre a desculpa era o clima. Porém, nessas duas últimas safras a produtividade vem batendo recordes nacionais, independentemente da variabilidade do tempo que afetou esse ou aquele estado. No caso do milho, na safra de 1997/98, a média brasileira era de 2.650 kg/ha, muito próxima da soja, que foi de 2.367 kg/ha, o que demonstra o quanto não sabíamos plantar uma cultura que já nessa época atingia mais de 6.000 kg/ha nos EUA. Porém, uma década depois, na safra de 2007/08, no milho, obtivemos 3.900 kg/ha e, na soja, 2.816 kg/ha. Veja que já ultrapassamos em produtividade a soja, o que é natural, desempenho que vem principalmente com melhores variedades, o desenvolvimento de tecnologias e biotecnologias.

Nos últimos dez anos, ficamos estagnados com a produtividade da soja, e assim passávamos de 2.600 kg/ha a 3.100 kg/ha em nível nacional, sendo que somente em uma dessas safras em dez anos obtivemos 3.100 kg/ha. Felizmente, nas últimas duas safras, estão ocorrendo recordes com essa cultura. Em 2016/17, obtivemos 3.364 kg/ha e a estimativa é que em 2017/18 a média nacional ultrapasse 3.250 kg/ha, podendo até surpreender, uma vez que Mato Grosso deve ultrapassar 3.350 kg/ha. No caso do milho, o ganho de produtividade veio ocorrendo de forma acelerada, claro que em virtude do baixo desempenho que vínhamos obtendo em uma cultura com potencial de 10 toneladas/hectare atingido por muitos produtores....

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!