Reportagem de Capa

O FUTURO É DA AGRICULTURA INTELIGENTE

Reportagem

O campo vem se submetendo a uma revolução digital semelhante à que vivencia a sociedade e a economia. Inteligência artificial, Big Data, satélites, Internet das Coisas, aplicativos, drones e outros conceitos ou ferramentas já estão incorporadas à realidade da agricultura. Vão para o solo junto da semente, acompanham a plântula se desenvolver e são decisivas para definir se a colheita é resultado de uma lavoura exitosa ou não. E muito mais vem por aí. Também em áreas como genética e defensivos biológicos. Registre-se: não é um exercício de imaginação futurístico. É a mais clara realidade – e o produtor deve estar preparado para aderir a ela

Solo, semente, plantio, adubo, fitossanidade, chuva, sol, colheita, trator, silo, caminhão, saca, arroba, comercialização. Esses são termos e denominações há muito, muito tempo conhecidos e usados na agricultura. Alguns desde o surgimento da agricultura, há 10 mil anos, na África. Digital, conectividade, sensoriamento remoto, automação, aplicativo, inteligência artificial, GPS, algoritmos, satélite, Big Data, mapa colorido, Internet das coisas (IoT), startups, smartphone, tablet, drone e muito mais. Eis alguns dos novos vocábulos da agricultura. Mais do que isso, são a nova realidade do mundo agrícola. E não existe nenhuma chance de se esquivar desse contexto, pelo menos no terreno (literalmente) da agricultura moderna, o agronegócio competitivo, que alimentará as próximas gerações do planeta. Justamente a conjuntura em que está inserida a agropecuária brasileira, tanto a praticada pelo megaempresário rural, quanto pelo pequeno agricultor familiar. Em síntese, cabe uma frase lugar-comum: “Seja bem- -vindo ao futuro”. Mas, afinal, o que é, e o que já existe, nesse “futuro”...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!