Na Hora H

A EQUIPE ECONÔMICA DO GOVERNO NÃO PODE ACABAR COM O MELHOR QUE TEMOS: O NOSSO AGRONEGÓCIO

Na

ALYSSON PAOLINELLI

Os que foram chamados de “Planos Econômicos” em número de sete, desde 1986 até ontem, nos demonstraram bem como se arrebenta com uma economia muito mais do que se conserta. Eles funcionam como um relógio de fina classe, que, como a economia, mal adminis-trados, acabam, pelo peso das dívidas e dos desacertos, parando de funcionar. Ao invés de entregar a joia a um bom relojoeiro, com as peças e ferramentas adequadas para tentar consertar os erros que estavam barbaramente sendo cometidos, no afã de não permitir que sejam vistos os erros e as omissões que se realizavam e que a “máquina” já estava parada, chamam às pressas um ferreiro, um profissional que elege como o mais certo para “consertar o relógio” a bigorna e a marreta para colocar os ponteiros da fina peça em lugar certo. Esse sempre é o resultado da objetividade com que foram encarados os nossos planos econômicos.

Os que foram chamados de “Planos Econômicos” em número de sete, desde 1986 até ontem, nos demonstraram bem como se arrebenta com uma economia muito mais do que se conserta. Eles funcionam como um relógio de fina classe, que, como a economia, mal adminis-trados, acabam, pelo peso das dívidas e dos desacertos, parando de funcionar. Ao invés de entregar a joia a um bom relojoeiro, com as peças e ferramentas adequadas para tentar consertar os erros que estavam barbaramente sendo cometidos, no afã de não permitir que sejam vistos os erros e as omissões que se realizavam e que a “máquina” já estava parada, chamam às pressas um ferreiro, um profissional que elege como o mais certo para “consertar o relógio” a bigorna e a marreta para colocar os ponteiros da fina pe...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!