Defesa Vegetal

Defensivos: por mais FATOS e menos mitos

Defesa

O debate sobre o consumo de defensivos na agricultura brasileira comete o equívoco de comparar áreas de lavoura e volumes de produção bem diferentes a de outras agriculturas mundiais. Além disso, estudo da Unesp em quatro culturas importantes com a ferramenta EIQ, que permite quantificar e comparar o risco dos defensivos, concluiu que as ameaças são até inferiores a de outros grandes países produtores

Caio Antonio Carbonari, professor adjunto da Faculdade de Ciências Agronômicas da Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Quando se trata de agricultura, o Brasil destaca-se como um dos principais países, produzindo fibras, bioenergia e alimentos em grande quantidade e com reconhecida qualidade, uma vez que é grande exportador desses produtos para o mundo e tem inserção em mercados com altos níveis de exigências quanto a qualidade e sustentabilidade. A agricultura tem papel fundamental na economia brasileira, com grande impacto no PIB e na balança comercial e isso se traduz em renda, empregos, divisas e bem-estar para a sociedade. O Brasil consegue todo esse destaque no cenário nacional e mundial utilizando apenas 8% das terras para a agricultura e preservando 61% de vegetação nativa do território, de acordo com estudo do Grupo de Inteligência Territorial Estratégica (Gite) da Embrapa. Nossa produtividade cresce em ritmo acelerado, o que aumenta nossa eficiência no uso das terras agrícolas e o que se deve à constante adoção de novas tecnologias, à pesquisa e à inovação nesse setor produtivo.

O Brasil é modelo em sustentabilidade para o mundo e, apesar disso, a agricultura brasileira é alvo constante de críticas. No uso de tecnologias para proteção de plantas, especialmente...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!