Milho

ADUBAÇÃO da safrinha: a soja agradece

Milho

A menor adubação do cereal de segunda safra ao longo dos anos compromete todo o sistema de produção, sobretudo a soja da sequência. Experimentos da Fundação MT comprovam que as tabelas de recomendação de adubação de instituições de pesquisas estão corretas. Portanto, nada de subadubações e nem superadubações do milho porque todas as culturas (e o bolso do produtor) vão sofrer

Fábio Ono, pesquisador da Fundação MT, [email protected]

Muitos agricultores e consultores da área agronômica visualizam que as maiores e as menores produtividades de grãos de soja e de milho safrinha obtidas no campo estão diretamente atreladas aos níveis de adubação praticados naquela safra. Será que essa afirmativa é sempre verdadeira? Outro apontamento indicado por profissionais da área técnica é que as tabelas de recomendação de adubação estão subestimadas para a obtenção de altas produtividades, considerando as cultivares de soja e os híbridos de milho atuais. Ou seja, de acordo com esses profissionais, há necessidade de maiores investimentos na adubação (acima da recomendada pelas tabelas oficiais) para a obtenção de produtividades elevadas nos tempos atuais.

Com o objetivo de entender se as produtividades de soja e milho segunda safra estão exclusivamente relacionadas com os níveis de adubação, a Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Mato Grosso (Fundação MT), desenvolve, há cinco anos, o experimento “Manejo da adubação no sistema soja/milho safrinha” em um solo de fertilidade construída. O trabalho é conduzido na área experimental da instituição em Nova Mutum, médio Norte do Mato Grosso, no chamado CAD Médio Norte (Centro de Aprendizagem e Difusão). A partir dessa e de outras pesquisa...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!