O Segredo de Quem Faz

Tecnologia brasileira ILPF for export

O

Leandro Mariani Mittmann
[email protected]

A integração lavoura-pecuária, conhecida por ILP, e por vezes com o componente florestal (então ILPF), é um verdadeiro potencializador de ganhos técnicos e econômicos em uma fazenda. Há registros de unidades produzindo até seis vezes mais a partir da mescla das atividades, segundo apurou a Rede de Fomento ILPF, iniciativa que reúne Embrapa, John Deere, Cocamar e Syngenta, além da recém adesão da Soesp (com as saídas de Dow e Parker), e que chega ao quinto ano de existência com uma novidade: agora se transforma em Associação Rede ILPF. A troca de denominação busca tornar a Rede ainda mais atuante, pois agora poderá receber recursos internacionais, sobretudo porque a integração é uma mitigadora dos gases de efeito estufa, além de que suas técnicas poderão ser exportadas a países da América Latina e da África. É o que descreve o médico veterinário William Marchió, diretor-executivo da Associação Rede ILPF.

A Granja — O que é a Rede ILPF e quais seus objetivos?

William Marchió — A Embrapa se deparava sempre com cenários de pastagens degradadas. Nós técnicos tínhamos um grande desafio porque tem várias fazendas de com alto grau de estágio de degradação de pastagens e com o produtor sem capacidade de investimento para converter, reformar essas áreas. Então, algumas soluções técnicas foram adotadas no começo com o sistema Barreirão, em que se coloca uma lavoura de milho consorciada com braquiária, e que depois da colheita (do cereal) tem o pasto. Isso tornou uma nova maneira de reformar a pastagem, com a agricultura pagando a conta.

O que alguns produtores passaram a fazer quando começaram ...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!