Agricultura Familiar

 

Experiências e negócios brasileiros na BIOFACH

Ministério do Desenvolvimento Agrário

A agricultura familiar brasileira fechou mais de R$ 10,5 milhões (US$ 3,406 milhões) em negócios na Biofach, maior feira de orgânicos do mundo, realizada no mês passado em Nuremberg, Alemanha, e ainda prospectou outros para os próximos 12 meses. Mais do que isso, os produtores voltaram para casa com experiência, informação e novos clientes. Por meio da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead), agricultores familiares tiveram a oportunidade de expor seus produtos e fazer negócios com profissionais de diversos países. Foram mais de 220 contatos comerciais com consumidores de países como Estados Unidos, França, Alemanha, China, Áustria, Portugal, Holanda, Argentina, Polônia e Hungria.

No evento do ano passado, as sete cooperativas participantes contabilizaram cerca de R$ 2 milhões (US$ 555 mil) em negócios fechados na própria feira e R$ 4 milhões para futuras vendas. Um total de cerca de R$ 6 milhões em negócios realizados e pré-negociados. Já neste ano, os contatos e negócios fechados, juntos, somam mais de R$ 10,5 milhões. “Os benefícios e as vantagens gerados com a participação na Biofach vão além dos negócios fechados. Estamos falando da maior feira de orgânicos do mundo, com mais de 1.200 estandes de diversos países. É uma oportunidade para conhecer boas práticas e experiências que podem ser aplicadas para fortalecer a agricultura familiar brasileira”, destaca o secretário especial da Sead, José Ricardo Roseno. “Voltamos para o Brasil com inúmeras oportunidades e acordos internacionais direcionados e, agora, é o momento de colher os frutos plantados durante todo evento”.

A Biofach, em Nuremberg, Alemanha, reuniu cerca de 2.700 expositores de mais de 80 países, e ainda atraiu um público de 134 nações

A Biofach é a maior feira de orgânicos do mundo e serviu como uma vitrine para os produtos da agricultura familiar brasileira. “Só de estarem na feira, eles foram visitados por mais de 50 mil pessoas. Estar junto com milhares de expositores abre uma oportunidade importante para esse setor do Brasil (agricultura familiar), que tem vocação para a agricultura orgânica e para a agroecologia”, ressalta o coordenador geral de Assuntos da Agricultura Familiar e Cooperação Internacional da Sead, Hur Ben Corrêa da Silva. Nesta edição, a Biofach reuniu cerca de 2.700 expositores de mais de 80 países. A feira atraiu um público de mais 134 nações. No estande Brasil - Family Farming, a agricultura familiar levou produtos como castanha-do-brasil, cachaça, mel, café, arroz, manteiga e grão de cacau.

No último dia de feira, a equipe da Sead se reuniu com os agricultores e parceiros para analisarem os resultados dos agricultores. Na ocasião, os produtores falaram sobre as impressões que tiveram do evento, os pontos positivos e o que precisa ser melhorado. Eles ainda relataram os cases de sucesso e os negócios fechados durante a feira. A reunião também contou com representantes do Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e Reunião Especializada da Agricultura Familiar do Mercosul (Reaf), que ressaltaram os pontos importantes para boas negociações, como os contatos para agendamento antes da feira e a importância de observar produtos e serviços que agregam valor à produção da agricultura familiar.

Exemplos dos bávaros — Com uma agricultura familiar muito parecida com a do Brasil, o estado alemão da Baviera está mostrando grandes experiências que servirão para aprimorar as iniciativas da Sead. Durante a Biofach, o secretário Roseno fez visitas e reuniões em diversas instituições de interesse da agricultura familiar, em busca de mais conhecimento que possa ser aplicado em favor dos agricultores brasileiros. Em Munique, capital da Baviera, o secretário se encontrou com o ministro da Alimentação, Agricultura e Silvicultura da Baviera, Helmut Brunner. Na instituição, a comitiva da Sead conversou sobre o mercado de orgânicos daquele país. A Baviera adotou uma política de promoção de produtos da agricultura familiar orgânica e o resultado é o crescimento do mercado de orgânicos em toda a Alemanha.

Assim como a Sead, o governo da Baviera também tem se dedicado à regularização fundiária e aos serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater). A comitiva da Sead teve a oportunidade de conhecer o sistema de assistência técnica a agricultores familiares dos alemães, que conta com parcerias com empresas, organizações e associações. Outro assunto foi o desenvolvimento rural, e o secretário visitou o departamento responsável por esse tema no ministério. “Eles desenvolvem toda uma ação de reordenamento agrário, apoiando as comunidades, trabalhando para baixar o custo da produção e aumentar a capacidade de produção dos agricultores. São objetivos muito semelhantes aos nossos e essa troca de informações pode ajudar a aprimorar as nossas políticas”, afirmou Roseno.

Por meio da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead), agricultores familiares brasileiros tiveram a oportunidade de expor seus produtos e fazer negócios

Tecnologia também foi objeto de discussão. A comitiva da Sead visitou o Centro Espacial de Cadastro e Digitalização na Baviera. A Alemanha possui um sistema único que registra as propriedades rurais de todo o país. Ele integra o sistema fundiário com a infraestrutura e as questões fiscais. Para o secretário Roseno, esse tipo de troca é de extrema importância para aprimorar o que já vem sendo feito no Brasil e pensar em novas ações. “Esse intercâmbio é uma ótima oportunidade para a gente ver o que tem dado certo aqui e o que pode dar certo no Brasil. A agricultura familiar da Baviera tem características muito parecidas com a nossa. Ver esses sistemas e essas políticas na prática nos ajuda a melhorar o que estamos fazendo no nosso País. É mais conhecimento para ser aplicado diretamente no fortalecimento da agricultura familiar brasileira”, ressalta.

Visitas ainda foram realizadas em parceria com a Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável (GIZ) para se conhecer a experiência em ações de desenvolvimento rural, como cadastro e controle fundiário, ações de assistência técnica e extensão rural, apoio à comercialização, entre outros. A Sead ainda discutiu um acordo de cooperação internacional com o governo alemão para fortalecer o intercâmbio de boas práticas para a agricultura familiar.