Glauber em Campo

 

FRENTE PARLAMENTAR DA AGROPECUÁRIA: O CAMPO COMEÇA A TER VOZ

GLAUBER SILVEIRA

Uma nova diretoria da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) tomou posse, tendo o deputado federal Nilson Leitão (PSDB/MT) como presidente. A posse ocorreu em evento que contou com a presença de 111 deputados, 16 senadores, cinco ministros, governadores e o Presidente da República, Michel Temer, o que mostra a força conquistada pelo agronegócio. O Presidente, em seu discurso, ressaltou o seguinte: “Quando nós, no Governo, dizemos que o Brasil tem rumo, a primeira direção para a qual olho é, exatamente, a agricultura, o agronegócio”. Disse ainda que a FPA é tão forte que consegue reunir ministros da Agricultura e do Meio Ambiente em uma mesma cerimônia.

As demandas do setor produtivo sempre tiveram uma voz isolada dentro do Congresso Nacional, tanto que, por décadas, tivemos ícones que eram idolatrados pelos produtores. Raro seria se encontrar um produtor que não soubesse dizer o nome de um deputado que ele em particular admirava. Assim foi através dos tempos, esse ou aquele grande defensor isolado das causas do setor produtivo, causas essas que não são poucas.

Os grandes movimentos da agricultura sempre foram encabeçados e liderados pelas entidades do setor, entidades que tinham função de liderar todo processo de reivindicação, buscando apoio parlamentar que sempre veio isolado por deputados ou senadores que se identificavam mais com a causa ou sentiam na própria pele. Em todos os fóruns de discussão do setor produtivo escutamos sempre sobre a falta de representatividade política, justamente um setor que tem tamanha importância no Brasil ter tão pouca força política. E a nossa falta de representação não é só no Congresso Nacional. Começa nas câmaras de vereadores, nas prefeituras, nas assembleias legislativas e assim por diante. A falta de articulação política pelos produtores, mesmo nos municípios, faz com que venhamos a colher frutos amargos. O produtor acha que apenas produzindo muito bem e se dedicando à sua produção a sociedade tem por obrigação reconhecer sua importância para o desenvolvimento. Ledo engano. Se você não se faz representar, alguém tomará decisões por você.

Felizmente o grande diferencial aconteceu no momento em que a Frente Parlamentar da Agropecuária se organizou e passou a liderar o processo de representação junto ao Congresso Nacional. De forma organizada, com método e gestão participativa, amparada em técnicos competentes, a Frente dá um exemplo de liderança e organização.

A FPA passa a ocupar espaço em todas as comissões importantes ao setor produtivo, e a partir daí temos uma atuação propositiva dentro do Congresso, onde se passa a discutir todos os temas relevantes e a gerenciar todos os projetos em trâmite na casa. O mais importante feito da Frente Parlamentar da Agropecuária foi conseguir congregar os mais diversos partidos em uma causa, onde todos os parlamentares puderam capitalizar e colocar sua opinião, onde todos foram respeitados e valorizados, onde as divergências eram tratadas a fundo e eram adotadas as opiniões que tinham apoio da maioria. Com isso, os parlamentares sentiram sua força e gostaram disto.

Na cerimônia, as entidades que compõem o Instituto Pensar Agro (IPA) que dá apoio técnico e de comunicação à FPA foram homenageadas. Afinal, o fortalecimento da frente é fruto da organização das entidades de classe, lembrando que tudo começou com o apoio da Aprosoja e da Ampa, entidades que tomaram a frente de buscar melhorar nossa representatividade, e isso hoje mostra frutos. Mas os produtores precisam fazer mais, começando nos municípios. O momento é oportuno quando o agronegócio ocupa seu espaço e tem força para buscar avanços em setores que têm engessado o crescimento do Brasil. É preciso desburocratizar, aprovar a reforma trabalhista, a terceirização, a lei de cultivares, resolver de uma vez a questão da demarcação das terras indígenas. A FPA mostrou seu prestigio e força, e precisa agora fazer acontecer.

Presidente da Câmara Setorial da Soja, diretor da Aprosoja, vice-presidente da Abramilho e produtor em Campos de Júlio/MT