Aqui Está a Solução

 

COMBATE À MOSCA DAS FRUTAS

Quais são os principais tipos de armadilhas que controlam a mosca das frutas nos pomares de laranja? Grato pela informação.

Luiz Cláudio Furtado
Atibaia/SP

R- Prezado Luiz Cláudio, o tipo de armadilha mais utilizado é o frasco McPhail, feito de plástico ou vidro, para captura de machos e fêmeas. Dentro é colocado um atraente à base de proteína hidrolisada a 5%. O Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus) recomenda que as armadilhas devam ser presas em ramos de 1,60 a 1,80 metro de altura e instaladas a cada 50 metros um do outro, contornando toda a área produtora e também no interior do pomar. Outro modelo de armadilha é a Jackson, de formato delta, dotado de base com cartão colante, mas diferente em relação ao atrativo. Nesse caso, é utilizado o feromônio sexual trimedlure, específico para captura de machos de Ceratitis capitata.

O controle químico da mosca das frutas é realizado com a aplicação de inseticidas em cobertura total ou em iscas tóxicas. Elas são preparadas com adição de defensivos químicos a um atraente alimentar, muito parecido com o atrativo utilizado na armadilha McPhail. Devem ser colocadas em ruas alternadas, em apenas uma parte da copa das plantas, em torno de 1 m², de preferência em folhagens, e renovadas em intervalos entre sete e dez dias. O controle deve ser iniciado quando for encontrada em média uma mosca por armadilha, por dia. As moscas das frutas Anastrepha fraterculus e Ceratitis capitata afetam diretamente as laranjas e tangerinas devido à perfuração feita pela fêmea na casca ao colocar seus ovos, e ao desenvolvimento das larvas dentro do fruto, consumindo a polpa e provocando o apodrecimento interno.


PREVENÇÃO DE VIROSE EM ALFACE

Gostaria de saber quais são as recomendações mais indicadas para prevenir a alface da doença vira-cabeça. Desde já, obrigado.

Paulo Roberto Correia Lopes
Sete Lagoas/MG

R- Caro Paulo Roberto, a doença vira-cabeça é causada por um vírus transmitido pelo mosquito Tripes. A alface doente apresenta manchas e bronzeamento. A infecção começa normalmente em um lado da planta, fazendo com que ela fique distorcida, até causar a interrupção do crescimento. “A medida mais importante é o plantio de mudas sadias. Elas devem ser produzidas em locais isolados, protegidas do inseto vetor”, explica a técnica da Emater/MG no município de Mário Campos, Shelen de Souza. Ela informa que, no caso de plantas atacadas pelo inseto, já no campo, as mesmas devem ser eliminadas logo no início da doença. Isso evita que a larva do mosquito se alimente de plantas doentes. Também é importante suprimir o mato e as ervas daninhas que ficam ao redor das plantas. A última medida é o controle do mosquito com inseticida.

“O produtor só deve tentar controlar o mosquito com inseticida natural ou químico, autorizado para esta cultura, se todas as medidas preventivas já tenham sido tomadas anteriormente, principalmente a produção de uma muda sadia”, observa. Períodos com poucas chuvas e altas temperaturas são propícios para a proliferação do mosquito e, portanto, os produtores devem ter mais atenção nessas épocas.