Aqui Esta a Solução

 

VAZIO SANITÁRIO DO FEIJÃO

Amigos da Revista A Granja, gostaria de saber quais são os problemas fitossanitários combatidos com o vazio sanitário nas áreas cultivadas com feijão. Obrigada.

Giovana Carvalho
Ipameri/GO

R- Cara Giovana, o objetivo do vazio sanitário é reduzir a população da mosca-branca e, principalmente, das plantas infectadas com o vírus do mosaico dourado e com o vírus do mosqueado suave do caupi, ambos transmitidos por adultos da praga. Entre setembro e outubro, a medida deve ser adotada no Distrito Federal, em Goiás, e nos municípios do Noroeste de Minas Gerais. Segundo a entomologista da Embrapa Arroz e Feijão Eliane Quintela, o vazio sanitário do feijoeiro comum foi estabelecido nessas regiões por causa das elevadas perdas na produção.

A implantação da medida tem sido um sucesso, com reduções significativas no número de pulverizações para o controle da mosca-branca e das plantas infectadas por viroses viabilizando o plantio do feijoeiro em outubro e novembro. O vazio sanitário determina a ausência total de plantas vivas da cultura do feijoeiro comum e plantas invasoras na área de plantio. Durante a vigência da medida, todas as plantas de feijoeiro comum, cultivadas ou voluntárias, deverão ser eliminadas por meio de controle químico ou mecânico. A responsabilidade da eliminação é do produtor, arrendatário ou ocupante das áreas produtoras.


PRAGA DA GOIABEIRA

Quais são as principais medidas alternativas de controle à mosca-das-frutas na goiabeira? Obrigado pela informação.

Humberto Flores Reis
Farroupilha/RS

R- Prezado Humberto, o recomendável é fazer o monitoramento usando armadilha com atrativo. Dessa forma, após ter conhecimento da população de moscas presentes no pomar, a isca tóxica pode ser utilizada, explica o extensionista da Emater/ RS Alexandre Meneguzzo. Quando a infestação é baixa, o produto deve ser aplicado somente em uma parte da planta, fazendo um controle parcial. Outra tecnologia utilizada é um atrativo alimentar em pasta (isca envenenada), que pode ser aplicado com um soprador e que, por ser pastoso, não é lavado pela chuva, persistindo por até um mês na planta. “Antes de fazer a postura, a moscadas- frutas precisa se alimentar, então ela vai morrer e não vai ter larva no fruto”, detalha Meneguzzo. O produto também é encontrado na forma líquida. De acordo com o extensionista, com o uso dessas ferramentas de controle, é possível reduzir em até 70% o número de pulverizações de defensivos nos pomares.