Milho

 

Diferentes MANEJOS para o cereal crescer saudável

Como ocorre a redução da incidência do nematoide Pratylenchus brachyurus na cultura do milho em monocultivo e em rotação com a soja, assim como em sucessão a diferentes coberturas do solo na entressafra

Alexandra Botelho Lima Abreu, pesquisadora da Fundação Chapadão

Por muitos anos o milho foi considerado uma planta rústica. Hoje, no entanto, a ampliação do seu cultivo proporcionou também o aumento da ocorrência de pragas e doenças (Pereira et al., 2005). Os danos causados por nematoides variam de acordo com o gênero, a população, as condições do solo e a idade da planta de milho. Os sistemas radiculares parasitados tornam-se menos eficientes na absorção de água e nutrientes da solução do solo, consequentemente, a planta tem seu crescimento reduzido, apresentando sintomas de deficiências minerais e, por fim, quedas de produtividade (Pinto, 2007).

Dos nematoides que parasitam o sistema radicular do milho, os do gênero Pratylenchus sp., são os de maior importância devido à patogenicidade, à distribuição e à alta densidade populacional, com destaque às espécies Pratylenchus brachyurus e Pratylenchus zeae (Lordello, 1984). A ocorrência de Pratylenchus sp. tem se destacado, tanto pelos danos causados quanto pela ampla disseminação. Em áreas produtoras do Mato Grosso do Sul e Goiás, em levantamento realizado nas últimas safras, na região dos Chapadões, verificou-se que o P. brachyurus encontra-se presente em mais de 90% das amostras coletadas (ABREU, et al., 2014). A utilização de plantas antagônicas (contrárias) aos nematoides, como culturas de coberturas na entressafra, podem ser uma boa alternativa para reduzir o impacto desses parasitas sobre as culturas principais.

Pesquisa — O presente estudo foi implantado na área experimental da Fundação Chapadão, no município de Chapadão do Sul/MS, no período de outubro de 2009 a agosto de 2014. Inicialmente, a área foi preparada por uma safra verão (2009/2010) com plantio de soja e uma safra inverno (2010) com plantio de sorgo. No verão 2010/11, iniciou- se o programa de rotação de culturas com sucessão das coberturas de inverno na entressafra, quando foram quantificadas 14.400 espécimes de Pratylenchus brachyurus por 10 gramas de raízes. Nessa ocasião, a produtividade era de 248 sacas de milho por hectare.

Os danos causados por nematoides variam de acordo com o gênero, a população da praga, as condições do solo e a idade da plantação do cereal

O genótipo de milho utilizado foi DKB 390, com o plantio na safra 2011/12 no dia 17/10/2011; na safra 2012/13, em 25/10/2012; e na safra 2013/14, plantio de milho realizado em 21/10/2013. O delineamento experimental foi blocos casualizados em esquema fatorial 2 x 17 (safra x culturas de cobertura) com quatro repetições. Os sistemas de cultivos adotados foram milho em monocultivo (milho-milho-milho) e milho em rotação com soja (milho-soja-milho), ambos com o uso de coberturas na entressafra.

As coberturas utilizadas foram os seguintes: Stylosanthes capitata, Urochloa ruziziensis + Crotalaria spectabilis, Milheto + S. capitata, Crotalaria ocroleuca, C. spectabilis, Crambe abssynica, nabo-forrageiro, Milheto, Urochloa decumbens, Urochloa brizantha, Urochloa ruziziensis, milho + C. spectabilis, girassol, sorgo, milho com saturação de base acima de 55% e abaixo de 50%, além de área em pousio. O sistema de produção adotado foi de semeadura direta, utilizando o espaçamento de 0,45 metro entre fileiras, com 2,2 plantas/metro. As avaliações de produtividades e população de nematoides nas raízes de soja foram realizadas nas safras 2011/12, 2012/13 e 2013/14.

Resultados — No sistema de cultivo milho-milho-milho, ao analisar a população de P. brachyurus nas raízes de milho (Tabela 1), observa-se que, da safra 2011/12 para a safra 2013/14, ou seja, após duas safras com cultivo na entressafra, todas as coberturas propiciaram reduções de P. brachyurus em raízes de milho, essas reduções vão de 9,71% a 92,93%, com pousio e sorgo, respectivamente. Porém, as coberturas: milho + C. spectabilis, milho (V% < 50), U. ruziziensis, C. abssynica, U. decumbens e girassol também merecem destaque, pois apresentaram percentual de redução acima de 80%.

Em relação à produtividade de milho, no sistema de cultivo milho-milhomilho (Tabela 2), nota-se que apenas o uso de S. capitata como cobertura não proporcionou incrementos produtivos na cultura do cereal. Todas as demais coberturas proporcionaram incrementos, inclusive em área onde fora utilizado o pousio (16,73%), esses acréscimos de produtividade da safra 2011/2012 para a safra 2013/2014 vão de 10,07% (C. ochroleuca) a 78,83% (milho + C. spectabilis). Na safra 2011/12, a média de produtividade foi de 165,2 sacas/hectare; e na safra 2013/14, de 213,9 sacas/ hectare.

Ao analisar a população de P. brachyurus nas raízes de milho, no sistema de cultivo milho-soja-milho (Tabela 3), observa-se que, da safra 2011/ 12 para a safra 2013/14, a maioria das coberturas propiciaram reduções de P. brachyurus em raízes de milho, as quais variam de 16,9% a 99,0% com C. ochroleuca e U. brizantha, respectivamente. Porém, outras coberturas também se destacaram por apresentar reduções acima de 80%, tais como U. ruziziensis, milho + C. spectabilis, milheto + S. capitata, milho (V% < 50), milheto, C. abssynica, naboforrageiro, U. decumbens.

No sistema de cultivo milho-sojamilho, ao analisar-se a produtividade de milho (Tabela 4), nota-se que os incrementos variam de 1,02% a 37,36% em U. brizantha e Milho + C. spectabilis, respectivamente. Porém, quando se utilizou o pousio, S. capitata, C. ochroleuca, C. abssynica e milheto, não houve incrementos produtivos. Na safra 2011/12, a média de produtividade foi de 180,6 sacas/hectare. Já na safra 2013/14, foi de 189,9 sacas/hectare.

Conclusão — Da safra 2011/12 para a safra 2013/14, grande parte das coberturas mostraram-se boas redutoras de Pratylenchus brachyurus e ao mesmo tempo incrementaram a produtividade, tanto em milho monocultivo como em milho rotacionado com soja. Em síntese, as espécies vegetais que são utilizadas no SPD podem ser úteis no manejo de áreas infestadas com nematoides, porém, há espécies que devem ser evitadas, devendo-se realizar o manejo de nematoides de modo a integrar as diversas formas de manejo existentes.