Milho

  

Uso do TSI para o controle de pragas iniciais do milhoUso do TSI para o controle de pragas iniciais do milho

O Tratamento de Sementes Industrial (TSI) é essencial para boas produtividades do milho, uma vez que atua sobre os insetos nas fases iniciais da lavoura, auxiliando para a manutenção do estande.

Fabrício Passini, gerente de Agronomia Sul na DuPont Pioneer

Pragas, doenças e plantas daninhas são alguns dos vários fatores que podem causar redução na produtividade da cultura do milho. Nas fases iniciais, principalmente, quando as plantas ainda são muito sensíveis aos danos das pragas, as perdas podem ser significativas. Vejamos quatro fases de uma boa estratégia de manejo para esse caso:

1. Histórico e identificação das pragas: para começar, é importante conhecer o ambiente e saber identificar as pragas e os danos causados. As duas principais pragas da cultura do milho são o percevejobarriga~- verde e a lagarta-do-cartucho. Ambas atacam a lavoura nos estádios iniciais, trazendo sérios prejuízos aos agricultores.

2. Dessecação antecipada e monitoramento para uso de inseticida: a dessecação deve acontecer entre 20 e 30 dias antes do plantio, com o objetivo de controlar pragas e plantas daninhas. Porém, é preciso continuar monitorando a cultura antecessora até o momento do plantio, para que, quando forem encontrados percevejos e lagartas, seja feito uso de inseticida. Veja mais detalhes sobre o planejamento da dessecação na figura 1.

Figura 1

3. Escolha da tecnologia Bt e tratamento de sementes: A tecnologia Leptra® de proteção contra insetos é mais uma ferramenta oferecida pela DuPont Pioneer que, quando associada às Boas Práticas de Manejo, auxilia no controle das sete principais lagartas da cultura do milho, conforme pode ser visto na figura 1.

É importante lembrar que as Boas Práticas de Manejo são: dessecação antecipada, tratamento de sementes, adoção da área de refúgio estruturado efetivo, controle de plantas daninhas e voluntárias, monitoramento de pragas e pulverizações complementares e rotação de culturas. Em relação à escolha de um bom tratamento de sementes, ressaltamos como seus principais benefícios a manutenção do estande das plantas em estádios iniciais, o manejo de resistência de lagartas à tecnologia Bt, um maior espectro de controle de pragas e, quando feito de forma industrial, uma maior segurança de dose e cobertura.

4. Monitoramento da lavoura implementada: o monitoramento da lavoura, principalmente nos estádios iniciais, é fundamental. Observando a figura 1, é possível perceber que, para cada tecnologia ou pragas, diferentes níveis de danos determinam ações a serem seguidas. No caso dos percevejos, é recomendada a aplicação para controle quando o nível de dano for atingido (média de um percevejo vivo a cada dez plantas). Já para as lagartas, são três importantes recomendações:

a) área de refúgio estruturado efetivo: aplicar no máximo duas vezes até V6, quando na média das amostragens 20% das plantas apresentarem nível 3 de dano na Escala Davis;

b) híbridos Leptra®: sempre que 4% das plantas, na média, estiverem ao nível 3 da Escala Davis, contatar o Representante Comercial dos produtos marca Pioneer® ou o distribuidor da sua região para verificar a necessidade de aplicar inseticidas;

c) híbridos não Leptra®: aplicar sempre que, na média, 10% das plantas estiverem ao nível 3 da Escala Davis.

Tratamento de Sementes Industrial — Para garantir a dose de produto por semente, a proteção do produto e germoplasma e para evitar riscos de contaminação e possíveis erros comuns do tratamento de sementes realizado na fazenda, no Tratamento de Sementes Industrial (TSI), uma alta tecnologia é adotada. Na Safrinha 2016, a DuPont Pioneer passou a oferecer o Tratamento de Sementes Industrial com o inseticida Dermacor®, que está associado ao grupo dos Neonicotinoides (Poncho® e Cruiser ®). A associação desses tratamentos traz importantes benefícios para os produtores, tais como:

I. Maior segurança na aplicação: equipamentos especiais asseguram a cobertura, dose e qualidade fisiológica das sementes, proporcionando maior proteção, segurança e conveniência aos produtores e ao meio ambiente.

Gráfico 1

% de controle de percevejo com uso de PonchoR. Avaliação realizada em 280 plantas por tratamento de semente, 20 dias após plantio; Scala Fundação ABC 0-3. Trabalho realizado pela Pesquisa Agronômica/PR. (Robson de Paula, José Madaloz)

II. Proteção nos estádios iniciais da cultura: a utilização de diferentes modos de ação auxilia as proteínas Bt na redução da pressão sobre as pragas, colaborando para o aumento da sua longevidade. Em um estudo realizado pela Fundação ABC, percebeu- se que com o uso de inseticidas via tratamento de sementes houve uma redução na porcentagem de plantas raspadas quando comparadas com a testemunha nos estádios V2 e V3.

No gráfico 1, temos o resumo de trabalhos realizados pela DuPont Pioneer, nos quais foram avaliados os tratamentos de semente nos diferentes níveis de ataque de percevejo (leve, moderado e severo). Com o uso do Poncho®, obteve-se forte redução nos danos leves e moderados causados pela praga. Percevejos podem causar danos de produtividade que variam entre 15% a 90%, dependendo da severidade do ataque.

III. Agilidade no plantio: praticidade e agilidade são palavras-chave quando se refere a Tratamento de Sementes Industrial e esse é um diferencial importante que precisa ser considerado, uma vez que elimina a necessidade de mão de obra e equiequipamento para retratar.

Gráfico 2

(FOTO 4)

Efeito da aplicação de inseticidas via Tratamento de Sementes Industrial em híbridos de milho BT e não-BT sobre a população final de plantas no momento da colheita. Safra 2014/2015, CDE Tibagi/PR, Fundação ABC

IV. Maior espectro de controle de pragas: a tecnologia Leptra® associada ao TSI Dermacor® + Poncho® ou Cruiser® resulta no aumento do espectro do controle das principais pragas nas fases iniciais da lavoura de milho, que são lagarta-rosca, lagarta-elasmo, lagarta-do-cartucho, Helicoverpa, corós, cigarrinha, pulgão do milho e percevejos.

V. Manutenção do estande: o TSI é essencial para boas produtividades em milho, uma vez que atua sobre os insetos nas fases iniciais da lavoura auxiliando para a manutenção do estande. No gráfico 2 temos a representação de um estudo realizado pela Fundação ABC nos Campos Gerais do Paraná, com Dermacor ®, em que o número final de plantas foi 20% maior em comparação à testemunha. A população final de plantas é o principal componente de rendimento da lavoura e é uma característica específica de cada híbrido.

Por fim, reforçamos o compromisso da DuPont Pioneer em entregar novas tecnologias que possibilitem um melhor controle de pragas e também em levar informações úteis aos produtores com o objetivo de prolongar a durabilidade dessas tecnologias. O Manejo Integrado de Pragas é o que nos permite diminuir as falhas de controle que resultam em perdas de produtividade. A adoção dessas medidas por parte dos produtores é o que irá resultar em um esforço conjunto em direção ao aumento da rentabilidade.

Híbridos marca Pioneer® com tecnologia Leptra® de proteção contra insetos – disponível também em versão tolerante ao herbicida glifosato

Agrisure® e Agrisure Viptera® são marcas registradas utilizadas sob licença da Syngenta Group Company.

A tecnologia Agrisure® incorporada nessas sementes é comercializada sob licença da Syngenta Crop Protection AG. Tecnologia de proteção contra insetos Herculex ® desenvolvida pela Dow AgroSciences e Pioneer Hi-Bred.

®Herculex e o logo HX são marcas registradas da Dow AgroSciences LLC. LibertyLink® e o logotipo são marcas registradas da Bayer.

®YieldGard é marca registrada utilizada sob licença da Monsanto Company.

Poncho® é marca registrada da Bayer. Cruiser® é marca registrada da Syngenta Proteção de Cultivos Ltda.

Cruiser® é marca registrada da Syngenta Proteção de Cultivos Ltda.

As marcas com ®, ™ ou SM são marcas e marcas de serviço da DuPont, Pioneer ou de seus respectivos titulares. © 2016 PHII