Primeira Mão

Chega de tributação!

“É o início de um movimento que poderá levar à taxação de toda a cadeia de produtos da agropecuária brasileira, em uma ação capaz de inviabilizar o segmento que sustenta a economia do País, garante emprego no campo e garante superávits crescentes na balança comercial”. A manifestação preocupada é do presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins (foto), sobre a decisão do governo de Goiás de cobrar ICMS nas operações de processamento e comercialização de soja e milho.

Martins fez a manifestação em reunião na sede da entidade, em Brasília, em que participaram líderes classistas da agropecuária, como de entidades exportadoras e vários presidentes de federações estaduais de agricultura. Para ele, a decisão goiana poderá provocar “efeito cascata” ao ser adotada por outros governos estaduais, “com o objetivo único de cobrir os déficits de orçamentos mal direcionados”. O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás, José Mário Schreiner, acrescentou que a medida seria “um vírus que vai se espalhar para todo o País, prejudicando o setor agropecuário, aumentando custos, reduzindo a competitividade do agricultor brasileiro e gerando mais desemprego”.

Familiares na Rio 2016

A agricultura familiar brasileira vai participar dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. O segmento terá a oportunidade de divulgar sua produção nas praças Brasil Saudável e Sustentável, localizadas em quatro pontos turísticos da cidade, uma iniciativa dos ministérios do Desenvolvimento Agrário (MDA) e do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS). “A agricultura familiar é reconhecida no País como uma grande fornecedora de alimentos sustentáveis e saudáveis para a população brasileira. Os Jogos Olímpicos são importantes para consolidar a agricultura familiar como grande fornecedora de alimentos saudáveis para o Brasil e o mundo”, ressalta o diretor MDA Marcelo Piccin.

Biodiesel +15%

A produção de biodiesel no Brasil chegou a 3,9 bilhões de litros no ano passado, crescimento de 15% ante 2014. O volume, número da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), faz do Brasil o segundo maior produtor de biodiesel, atrás apenas dos Estados Unidos, um reflexo da legislação, que pouco mais de um ano atrás determinou que a porcentagem de biodiesel no diesel passasse de 5% para 7% (B7). Segundo a ANP, a indústria nacional tem capacidade instalada para produzir 7,3 bilhões de litros por ano, ou seja, o Brasil pode passar para B12 quando quiser. A soja responde por 77% da matéria-prima do biodiesel brasileiro, o que demandou 2,7 milhões de toneladas da oleaginosa no ano passado. Na sequência da soja, gorduras animais, com 19%, e óleo de algodão, com 2%.


Coamo é 10!

... bilhões e 660 milhões de reais de faturamento, pela primeira vez em 45 anos de existência, marca obtida no ano passado e que representou 22,8% de crescimento sobre 2014. Os quase 28 mil cooperados depositaram nos silos da instituição 7,04 milhões de toneladas de grãos no ano passado, o que representou 3,4% da produção nacional. Já as exportações de produtos agrícolas (in natura) bateram em US$ 1,17 bilhão, o que faz da Coamo a 27ª maior empresa exportadora do Brasil e a número 1 do Paraná. E o desempenho foi compartilhado, com a distribuição R$ 320.355.805,85 em sobras para os associados, valor anunciado em uma assembleia. A Coamo tem sido presença permanente como a vencedora do Prêmio Destaques A Granja do Ano, categoria Cooperativismo.


Aniversário!

A Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja/MT) completou 11 anos de trabalho em defesa dos sojicultores mato-grossenses e seus anseios. A entidade representa 5 mil produtores. “Nosso associado, que está lá no interior do estado, é o foco da atuação da Aprosoja. Queremos ouvi-lo e atender as demandas sugeridas por ele. Essa é a nossa missão”, argumenta Endrigo Dalcin, presidente da Aprosoja/MT.

Milho GM no prato. Sem medo

O milho transgênico é seguro para a alimentação humana, concluiu um estudo europeu de longo prazo conduzido pelo Projeto Grace (Avaliação de Risco de Transgênicos e Comunicação das Evidências, na sigla em inglês), com financiamento da União Europeia. Os cientistas alimentaram ratos em dois grupos, um pelo período de 90 dias e outro durante um ano, sendo que a conclusão foi que não há evidência de que o milho geneticamente modificado cause qualquer efeito adverso.

PARABÉNS, FERNANDA

A melhor aluna da sétima turma do curso de Mecanização em Agricultura de Precisão, da escola Fatec Shunji Nishimura, de Pompeia, é a tecnóloga Fernanda da Silva Zamarioli, natural do município. Fernanda, que integrava turma de 41 alunos, três dos quais mulheres, se formou como mecânica de usinagem, com nota 8,54, e a ideia dela é trabalhar na área de mecanização em agricultura de precisão. Mais um belo exemplo feminino neste mês de março. Na foto, recebe certificado de melhor aluna de Jiro Nishimura, diretor-presidente da Fundação Shunji Nishimura.


“Costumo dizer que a mulher aperfeiçoa os processos de tomada de decisão, injeta criatividade e inovação e aumenta o percentual de solução de problemas. Ainda, enriquece o ecossistema rural como um todo, porque mostra maior empatia com os diversos personagens envolvidos no campo”.

Frase da entrevistada desta edição na seção O Segredo de Quem Faz, a produtora e advogada Thaís Carbonaro Faleiros Zenatti, sobre a inserção das mulheres na agropecuária. No Mês da Mulher, uma lição da Thaís.


Recorde à vista?

O Brasil deverá exportar o recorde de 100 milhões de toneladas de grãos em 2016, 2% a mais que as 98 milhões do ano passado, então o maior volume – mais que o dobro das 48,6 milhões de 2009. A estimativa é da INTL FCStone, que justifica o desempenho no câmbio e na melhoria das condições logísticas nos últimos anos, como, por exemplo, o aumento da importância dos portos de Itaqui/MA e Rio Grande/RS como portas de saída de grãos, além de Santos/SP e Paranaguá/ PR. As informações são do jornal Gazeta do Povo.


Menos seguro

O seguro agrícola para a safra 2016/17 terá à disposição R$ 400 milhões, valor um pouco superior à metade do previsto, em razão do contingenciamento no Orçamento do Governo. A Lei Orçamentária Anual 2016 sancionada pela presidente Dilma Rousseff previa R$ 741,6 milhões para subvenção ao seguro agrícola. O orçamento total do Ministério da Agricultura encolheu 27%, de R$ 2,037 bilhões para R$ 1,483 bilhão. “Vamos fazer o trabalho de acordo com a tarefa que recebemos e cumpriremos a determinação com tranquilidade”, garantiu a ministra Kátia Abreu.

Ferrogrão: nome pomposo já tem

Uma ferrovia de 1.140 quilômetros, ao custo (previsto) de R$ 10 bilhões, ao lado da BR 163, entre Lucas do Rio Verde/MT e Itaituba/PA, às margens do Rio Tapajós. Eis a Ferrogrão, por ora nada além de uma ideia do Governo Federal, que ainda em fevereiro anunciou ter determinado o pagamento de R$ 33 milhões para o consórcio Estação da Luz Participações, que fez os estudos técnicos para apoiar a elaboração do edital e do leilão da mega ferrovia. A notícia foi divulgada pelo jornal Estado de S. Paulo.