Primeira Mão

 

Helicoverpa sem segredos

Tudo, mas absolutamente tudo o que você precisa saber para enfrentar – e superar – a temível e faminta lagarta Helicoverpa armigera estão no site da Embrapa Soja www.cnpso.embrapa. br/helicoverpa. “A Embrapa considera que o crescimento populacional de lagartas do gênero Helicoverpa e consequentes prejuízos aos sistemas de produção foram ocasionados por um processo cumulativo de práticas de cultivo”, lembra parte do item do site “Entendendo o Problema”. E tem muito mais, inclusive, sobre os defensivos e mecanismos de ação sugeridos.


Exportações, três propostas

O presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins da Silva Júnior, apresentou, em reunião com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex Brasil), três propostas objetivas para o agronegócio brasileiro expandir suas exportações agrícolas:

1. aumento da participação do segmento nos projetos setoriais da Apex Brasil;

2. a criação de uma parceria entre CNA e Apex Brasil para promover maior conhecimento sobre comércio exterior por produtores e cooperativas;

3. ações para promover a imagem do Brasil no exterior, mas não apenas em feiras internacionais, e sim com a realização de eventos específicos.


Trigo desastroso no RS

Cerca de metade do trigo gaúcho foi por água abaixo ou congelou (definições literais). As fortes chuvas e as geadas devem ter causado uma quebra de 50% na produção estadual, ou colheita entre 1,3 milhão a 1,4 milhão ante as 2,2 milhões previstas, segundo estimativas da Federação da Agricultura do RS (Farsul). A colheita se encaminha para o final. “O gaúcho plantou trigo e vai colher Proagro”, disse ao Jornal do Comércio o gerente regional adjunto da Emater de Passo Fundo, Cláudio Dóro. Na região dele, a produtividade deverá ser de 1,5 tonelada/hectare, a metade esperada inicialmente.


Navios de milho de vento em popa

Ninguém segura o milho verde-amarelo. O País deverá exportar o recorde de 28,8 milhões de toneladas na temporada comercial que termina em janeiro, segundo a agência Reuters. O cereal brasileiro está competitivo no mercado internacional e inclusive tem conquistado espaços do produto americano (país maior produtor e exportador) em razão da desvalorização do real e das cotações mais elevadas nos Estados Unidos. O recorde era de 26,6 milhões de toneladas na temporada anterior. “O milho, com o câmbio que temos, está relativamente barato no exterior”, justificou à agência o analista de mercado Juliano Cunha, da consultoria Céleres.


Agora, peixe transgênico

A Food and Drug Administration (FDA), a agência reguladora de alimentos e medicamentos dos Estados Unidos, liberou no mês passado o primeiro animal transgênico para produção, venda e consumo humano: é um salmão, o AquAdvantage, que vem sendo desenvolvido desde o final da década de 1980 pela empresa de biotecnologia norte-americana AquaBounty. O salmão foi geneticamente modificado para crescer duas vezes mais rápido do que um peixe convencional, em condições de atingir o tamanho comercial em 18 meses. O gene inserido foi retirado do salmão real, uma espécie gigante do Oceano Pacífico que tem a capacidade de se desenvolver durante todo o ano, e não somente em duas estações, como o salmão atlântico convencional.


Reverência às leguminosas

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) vai homenagear as culturas leguminosas em 2016. Será o Ano Internacional das Leguminosas, com o tema “Sementes Nutritivas para um Futuro Sustentável”. O objetivo é promover o poder da proteína e os benefícios à saúde dos legumes secos, como os diferentes feijões, ervilha, lentilha, grão-de-bico, fava, soja e assim por diante. O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, destacou que esses alimentos contribuem de forma significativa para combater a fome, a segurança alimentar, a desnutrição e os desafios ambientais e de saúde. A meta é chamar a atenção para os muitos benefícios desses alimentos, como também para aumentar a produção e o comércio.


90,1 bilhões...

...de dólares em 2022. Essa é a estimativa de faturamento do mercado mundial de defensivos agrícolas, segundo relatório publicado no Portal Agropages.com. O valor significa crescimento de 68% sobre os US$ 53,6 bilhões do ano passado. Os herbicidas são os produtos mais utilizados, com fatia de 31,7% (US$ 17 bilhões no ano passado), os fungicidas têm participação de 22,7% (US$ 12 bilhões). Segundo a Agropages. com, o mercado está “altamente consolidado, com as nove principais empresas do setor representando mais de 80% do mercado global em 2014”.


Famato, cinco décadas

A Federação da Agricultura do Estado do Mato Grosso (Famato) completou 50 anos de atuação em defesa do produtor e criador mato-grossense. Uma série de atividades foi promovida para comemorar o meio século, como uma grande festa para mil pessoas em Cuiabá, no dia 19 de novembro. “A Famato é a voz do produtor rural sempre e onde quer que ela esteja”, lembrou no evento o atual presidente da instituição, Rui Prado, que ressaltou as parcerias com sindicatos rurais, Senar/MT, Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea), autoridades e assim por diante. Os oito ex-presidentes foram homenageados, e, no caso de cinco falecidos, as deferências foram para os familiares.


Premiações ao jornalismo d’A Granja

A reportagem O solo responde ao tratamento recebido, veiculada pela A Granja em março, foi a vencedora do 1º Prêmio Sinurgs de Jornalismo, do Sindicato dos Nutricionistas do Rio Grande do Sul, na categoria Jornalismo Impresso. A instituição premiou trabalhos que faziam referência ao Ano Internacional dos Solos, designado pela Organização das Nações Unidas da Agricultura e Alimentação (FAO).

E o mesmo trabalho ficou em segundo lugar na mesma categoria do 2º Prêmio José Lutzemberger de Jornalismo Ambiental, também no Rio Grande do Sul. A reportagem, de autoria do jornalista Leandro Mariani Mittmann, abordou a importância da conservação de solos, veiculou orientações de especialistas sobre o que deve ser feito para que as terras agricultáveis sejam mantidas produtivas, e também ressaltou a relevância dos solos para a segurança alimentar do planeta. Na foto, a entrega do prêmio Sinurgs: o jornalista autor da reportagem (com o filho, Lorenzo), José Vieira da Cunha, jornalista do site Coletiva.net e a presidente do Sinurgs, Maria Terezinha Oscar Govinatzki.


Herbicida 2,4-D detalhado

Uma descrição completa e aprofundada do herbicida 2,4-D está no livro Aspectos Biológicos e Econômicos do Uso dos Herbicidas à Base de 2,4-D no Brasil, dos pesquisadores Robinson Osipe e Jethro Osipe. A obra reúne dados que comprovam a segurança, a eficácia e a importância da molécula no controle de daninhas em soja, milho, cana, trigo, arroz e café. “Nunca tivemos um estudo que revelasse o verdadeiro impacto desse herbicida na agricultura do País. Este livro vem preencher essa lacuna, proporcionando aos leitores a oportunidade de conhecer não só a história do 2,4-D, como a sua real relevância para os produtores e toda a sociedade”, explica Osipe. Os exemplares podem ser adquiridos por R$ 10 no site www.bibliotecacientifica.com.br.