Agricultura de Precisão

 

A eficiência do manejo localizado de NEMATOIDES

Já existem metodologias e tecnologias de agricultura de precisão que permitem o manejo diferenciado para talhões com infestações de nematoides. A redução de defensivo pode chegar a 80%

Engenheiro agrônomo, professor e doutor Carlos Eduardo de Mendonça Otoboni, nematologista – Precisão em Proteção de plantas da Fatec Shunji Nishimura

Os sistemas tradicionais de manejo das lavouras tratam as áreas de cultivo de forma homogênea tomando como referência, nos tratos culturais, as condições médias dos fatores que afetam a produtividade para a programação das ações corretivas. O recente desenvolvimento tecnológico, notadamente de máquinas, implementos e da informática trouxe a possibilidade de adoção de práticas de manejo em sítios específicos ou da agricultura de precisão, com maior segurança na tomada de decisões, com o uso mais racional de insumos e com possibilidades reais de ganhos econômicos e ambientais.

O tipo de ocorrência predominante dos nematoides no campo é na forma de reboleiras e isso constitui um dos principais sintomas da praga e caracteriza uma distribuição na área do tipo agregada ou contagiosa. A essa característica soma-se o fato de que os nematoides são pragas de baixa mobilidade no campo e, portanto, demoram safras para mostrarem os prejuízos econômicos, apresentando um significado epidemiológico do tipo tardio. Assim, é comum as reboleiras dos nematoides permanecerem localizadas na mesma posição na área entre as safras, mostrando que existe uma prevalência de suas ocorrências no campo.

Dessa forma, nada seria mais lógico para o manejo e/ou controle dos nematoides do que o uso de táticas localizadas, ou seja, a adoção de medidas baseadas na filosofia da agricultura de precisão na qual os recursos (insumos) sejam colocados apenas onde sejam necessários, com ganhos econômicos e ambientais considerados.

Com essa finalidade, estão disponíveis hoje em dia metodologias e tecnologias que permitem a aplicação localizada de insumos, notadamente com foco no sulco de plantio ou adubação de culturas anuais como a soja, o milho e o algodão. A estratégia consiste em se levantar evidências que comprovem a localização dos nematoides em terrenos cultivados e que as áreas infestadas mantenham-se no mesmo ponto ao longo dos ciclos de cultivo e dos manejos empregados pelos agricultores. Para isso, são realizadas visitas no campo que tem o ataque de nematoides, coleta de amostras localizadas para a comprovação do problema e a demarcação das reboleiras presentes, utilizando-se um dispositivo receptor GPS, com posterior análise e confecção de mapas de aplicação nas áreas demarcadas no talhão, como é apresentado na tabela a seguir.

Aplicadores — Existem no mercado aplicadores que são acoplados às semeadoras e que realizam a aplicação de produtos no sulco de plantio e/ou adubação e são equipados com controladores eletrônicos, computador de bordo e receptor GPS. Com essa tecnologia é possível realizar a aplicação de defensivos, químico ou biológico, de forma localizada e automática nas reboleiras, ou seja, sem a necessidade de operação do equipamento, uma vez que o mapa está programado em seu computador de bordo. Assim, o agricultor realiza normalmente a semeadura da cultura e o equipamento deposita automaticamente a calda nas áreas demarcadas.

Após a aplicação o equipamento fornece este mapa de aplicação, uma informação muito importante para a avaliação da qualidade do trabalho, assim como dos resultados do tratamento

Ainda, após a aplicação, o equipamento fornece o mapa da aplicação, que é uma informação muito importante não só para as análises econômicas e ambientais do procedimento, mas também para a avaliação da qualidade do trabalho realizado, bem como dos resultados obtidos com o tratamento, pois o agricultor sabe exatamente onde está o problema e onde o tratamento foi realizado. Assim, ele pode retornar ao local de aplicação, avaliar a eficiência e realizar ajustes para os próximos tratamentos, se forem necessários. Tudo isso ficaria prejudicado se fosse feita a aplicação generalizada na área total.

Com essa metodologia e tecnologia foram conseguidas reduções de até 80% do defensivo aplicado. Também, vários trabalhos no exterior vêm confirmando que a utilização da técnica de aplicação de defensivos em taxa variável ou localizada reduz drasticamente a quantidade do produto aplicado, mantendo o controle em níveis adequados.

Como visto, as tecnologias para o manejo localizado de nematoides já estão disponíveis aos agricultores, bem como a ciência de como se fazer isso. O desafio que se coloca neste momento é o seguinte: como realizar essa operação em grandes áreas? Felizmente, novas tecnologias estão surgindo para a agricultura brasileira e os primeiros trabalhos já se encontram em andamento no Brasil e no exterior por empresas especializadas.

No caso do equipamento para a aplicação localizada, a evolução já está em andamento para maiores capacidades operacionais, vendas embarcadas nas semeadoras e sistemas inteligentes para a aplicação de vários produtos na mesma operação, com a injeção direta dos produtos na ponta de aplicação (tecnologia “multicanal”). Outra tecnologia que já se encontra disponível para os agricultores, porém, em processo de regulamentação no Brasil, é a do sensoriamento remoto de lavouras com o uso de veículos aéreos não tripulados, conhecidos nos EUA como drones (zangão, em inglês). Além desses recursos e dos já disponíveis, podem ser usadas imagens de satélites ou de aeronaves, com maiores capacidades de investigação e prognóstico nas áreas.

Semeaduras diferenciadas — Vale destacar que outras estratégias de manejo podem ser utilizadas, desde que equipamentos específicos sejam desenvolvidos ou manejados para esse objetivo. Como exemplo, o desenvolvimento de semeadoras que realizam a semeadura de diferentes cultivares ou espécies de plantas. Assim, desde que respeitados os ciclos equivalentes das cultivares/culturas, pode-se realizar a semeadura de forma localizada nas reboleiras de um genótipo resistente ou mais tolerante ao nematoide-chave, ou mesmo de um adubo verde ou cultura de cobertura. Outro exemplo, em uma opção mais direta, seria simplesmente a economia de sementes, fertilizantes e outros insumos nas reboleiras onde sabidamente não se irá produzir.

Por fim, essa estratégia de manejo aplica- se a qualquer praga que ocorra de forma localizada no campo. Nesse sentido, e dentre os problemas fitossanitários das culturas, as plantas daninhas são as que apresentam mais essa característica e, portanto, oferecem as maiores possibilidades de manejos localizados, seguidas dos nematoides, dos insetos e, por último, das doenças.