O Segredo de Quem Faz

 

O boi como PROVIDENCIAL terceira safra

Leandro Mariani Mittmann leandro@agranja.com

A agricultura brasileira é tida como privilegiada ao poder praticar uma segunda safra na mesma área e no mesmo ano. A imagem da colheitadeira em ação seguida do trator com uma plantadeira engatada desperta a admiração de americanos e europeus, que veem da janela a neve tomar suas lavouras durante semanas. Pois ultimamente têm se expandido no Brasil as iniciativas de agregação de uma terceira safra no período de 365 dias: de bois.

É assim que define Antonio José Gazarini, que, com um irmão e dois primos, há pouco mais de seis anos, foram conquistados pela integração lavoura-pecuária, em Jataí/GO. O Grupo Irmãos Gazarini é mais um exemplo do bem sucedido casamento lavoura & gado. Eles cultivam soja, milho, feijão e painço em uma ampla área (que não é revelada), onde na entressafra entram bois magros para engordarem em uma vistosa braquiária. São muitas as vantagens do sistema, lista Gazarini, sobretudo o controle de invasoras e a melhoria das qualidades físicas, químicas e biológicas do solo.

A Granja — Quando vocês começaram na integração lavoura-pecuária e qual a razão do investimento? Vocês se basearam em alguma iniciativa, algum exemplo?

Antonio José Gazarini — Iniciamos há seis para sete anos, mais ou menos. Uma pessoa nos despertou, uma pessoa que tem prática com a pecuária, enquanto nós não tínhamos prática nenhuma. E ela falou: “o negócio é bom, fazer a integração lavoura e pecuária”. Essa pessoa, que tem prática, mas não tem formação, era gerente de uma fazenda vizinha, e hoje ele é parceiro nosso no negócio (gado). Ele falou: “não, é uma coisa que dá certo e tal, eu já vi fazer...” Então, começamos a fazer em um pedaço pequeno para ver como é que funcionava, e aí foi criando corpo e nós intensificamos o negócio. Hoje fazemos em uma área boa (não relevada).

Fazemos a integração e temos um pequeno confinamento para “terminar” o gado que não “termina” na palhada. Fazemos em cima de milho de primeira safra. Plantamos o capim junto com o milho. Semeamos o capim na frente e plantamos o milho atrás. Usamos o capim Brachiaria ruziziensis. E por que nós usamos este? Porque é um capim que não forma touceiras e é fácil de matar, ele se forma bem muito e rápido, não tem um crescimento muito rápido, dá uma boa massa foliar e na hora de matar se usa uma dose menor de dessecante para erradicar. Como plantamos junto do milho, quando germina, germina tudo junto.

Quando o capim começa a perfilhar, aplicamos um produto para dar uma segurada nele, para não atrapalhar o crescimento do milho. Aí o milho cresce e ele fica por baixo. Então, tira-se o milho na colheita e, com 30 dias, o pasto está formado e se pode largar o gado, que fica de maio até setembro. E fazemos também na última soja, a colhida mais no tarde e que sai no período melhor para fazer a segunda safra, quando se semeia o capim com avião, no momento em que a soja começa a maturação.

As folhas da soja caem em cima da semente do capim, e o que acontece? As sementes germinam e ficam debaixo da soja, que, quando é colhida, o capim está com cinco ou seis centímetros de tamanho. Com 30 dias, o capim está formado e o gado é solto. Também fazemos de outra maneira: onde se colhe a primeira soja ou o primeiro feijão, que é colhido mais no cedo, semeia-se o capim, planta-se o milho em janeiro, colhe-se em junho, e aí solta-se o gado até setembro. São três maneiras.

A Granja — São seis anos. O sistema está bem consolidado ou estão em fase de melhoramento?

Gazarini — Sempre tem alguma coisa para melhorar. Mas já temos um certo controle sobre isso, ainda que sempre seja necessário fazer algumas mudanças. Não se pode ficar estacionado. Vamos fazendo algumas mudanças, mas está bem consolidado. Porém, não adianta chegar a uma chapada e falar: “vou fazer a integração aqui”. Porque você tem que ter uma infraestrutura de água e um curral para a hora de manusear o gado. Fazemos cerca elétrica com dois fios eletrificados porque na hora de fechar o gado, de repente, ele pode estourar essa cerca. Tem que ter lugar para dar uma encurralada no gado.

A Granja — Quantas cabeças de gado são trabalhadas por ano?

Gazarini — Varia entre 5 mil e 6 mil.

A Granja — Além disso, que outra infraestrutura para o gado vocês precisaram implantar?

Gazarini — Temos áreas que, pela natureza, já temos a infraestrutura de água, por exemplo. Temos aguadas boas na fazenda. E tem que complementar o alimento no cocho, um proteinado, então é preciso ter um equipamento para distribui-lo. Temos um cocho bem rústico, inclusive feito de big-bag. Então, são coisas baratas para não encarecer o sistema. E maquinário, o único usado que não faz parte da agricultura é o misturador- distribuidor para os cochos.

A Granja — E quais as vantagens da integração boi e lavoura?

Gazarini — Temos aqui algumas invasoras que são problemas, algumas resistentes ao glifosato. Por exemplo, a buva, a trapoeraba, a erva-quente, que são de difícil controle. E onde você implanta a braquiária, ela dá uma supressão nas invasoras, que não vêm no meio da braquiária. Então, a braquiária controla as invasoras. Isso é uma coisa boa que temos aqui. E a cobertura do solo.

Onde tem o capim, nos dias mais secos, fica uma cobertura boa de massa, onde a umidade segura um pouco mais. Temos aqui doenças como o mofo-branco, uma doença de solo, onde usamos a braquiária também para um certo controle. Então, são algumas vantagens que a gente vê fazendo a integração. Fora a reciclagem de nutrientes, um trabalho que a braquiária faz, além da massa que ela deixa e as galerias que ficam através das raízes.

A Granja — E os ganhos econômicos?

Gazarini — Só o fato de controlar essas invasoras já é um ganho muito grande. E o controle da soja-guaxa, a tiguera, que o gado come, enquanto na lavoura de milho o gado come todas aquelas espigas que caem na colheita, milho que não fica brotando na cultura subsequente.

E ainda essa parte de reciclagem de solo e proteção de solo. Tem também a viabilidade econômica. Não é uma coisa que rende muito, mas você tem um dinheiro fora de época, você diversifica sua atividade. Agora, a cobertura de solo é muito boa. Só o fato de proteger o solo... Estamos em uns dias de estiagem, e onde não tem cobertura, o solo está seco; onde tem cobertura, o solo está úmido.

A Granja — O gado é adquirido na região?

Gazarini — Sim, na região. Adquirimos gado no ponto de confinamento. Você calcula um gado que é colocado em um pasto para ele ficar até o ponto de ir para a palhada, mas tem que adquirir um gado que você tem a certeza que vai sair naquele ano. No nosso caso, não temos as pastagens para manter o gado gordo. E o que nós fazemos? Adquirimos o gado, deixamos nessas pastagens para manutenção e depois levamos ele para a palhada, e da palhada ele vai direto para o abate. O pouco que não vai, segue para um confinamento. Ele tem que fechar o ciclo dele dentro do ano. Escolhemos um gado que percebemos que terá ganho corporal.

A Granja — A integração é feita em toda a área de grãos? A ideia é aumentar?

Gazarini — Não. Fazemos em torno de 30% (da área). Neste ano, o custo do gado magro, a reposição, foi um pouco complicada, e fizemos um pouco menos. Mas isso depende de perspectiva de mercado. Se não quisermos pôr o gado em cima, plantamos capim só para fazer cobertura. Não temos cria do gado, apenas “terminamos”, e se ficar inviável a aquisição do gado, se a coisa não é boa... neste ano mesmo, uma parte ficou só em cobertura do capim e dessecamos para plantar. Ficou muito bom. E tem a oportunidade de tirar a semente do capim. Nós produzimos parte da semente do capim.

A Granja — Que recomendações o senhor daria a quem está pensando em começar a integração lavoura- pecuária?

Gazarini — Se quiser fazer só cobertura de solo, é uma coisa, não tem muito segredo. Agora, se for para fazer integração mesmo, com o gado, escolher uma área que esteja próxima de aguadas, que seja mais fácil de fazer um curral, ou que já tenha um curral, que assim já economiza, porque isso tudo é investimento. Que a área não seja muito isolada da casa porque, de repente, o gado escapa ou acaba a energia elétrica.

Fazemos tudo com bateria, mas pode dar problema na bateria. Tem que ter a presença de pessoas para sempre estar vigiando. Escolher uma semente boa de capim, tomar muito cuidado para não deixar o capim crescer muito, principalmente no meio da lavoura de milho. Tem que dar uma segurada no capim porque senão atrapalha a lavoura principal, o milho – na soja, não, porque é feita depois.

Porque hoje tem produto para controlar o capim e não matá-lo. E também tem o ponto certo de aplicar e controlar esse capim porque se fizer muito novo, pode matá-lo; se tiver o capim muito alto, já prejudicou a lavoura de milho. Então, em um ponto de equilíbrio que é muito importante.

A Granja — Aprenderam tudo isso com quem? Com a prática?

Gazarini — Na verdade, esse parceiro nosso, na parte de gado, foi ele que nos indicou. Temos nossos agrônomos e que orientam. Eles têm experiência com controle de ervas daninhas. No começo, às vezes apanhamos no controle do capim. Matamos o capim ou o capim atrapalhou o milho. Então, fomos ajustando o ponto de equilíbrio.

A Granja — Sobre integração lavoura- pecuária, tem muita pesquisa para apoio ao produtor, da Embrapa e de outras instituições?

Gazarini — Não temos muitas informações de fora, não. Estamos mais no pouco que sabemos. Fomos apanhando. Mas não é uma coisa muito difícil de fazer. São alguns ajustes só e tem dado certo. No Brasil inteiro se faz isso hoje. Não com muita intensidade, mas em todas as regiões do Brasil se tem notícias que se faz essa integração. Às vezes, não a integração propriamente dita, mas uma cobertura de solo já tem. E a maioria faz integração também. Para alguns, é novidade, mas para muitos, não.

A Granja — Na sua opinião, qual o futuro da integração lavoura-pecuária na agricultura brasileira? Se diz que será uma prática generalizada...

Gazarini — Eu vejo com bons olhos, acho que tem um futuro promissor. Por quê? Porque hoje você tem que otimizar a sua propriedade. Hoje, os solos, principalmente os mais valorosos, os de maior valor agregado, devem ser aproveitados ao máximo. Em solo caro, é preciso verticalizar o seu negócio. E uma das maneiras de verticalizar é fazer isso. Nós, por exemplo, estamos fazendo a terceira safra sem irrigação. Fazemos feijão, milho e gado. É necessário tentar tirar do solo o máximo que se puder. E só o fato de fazer essa cobertura de solo melhora a sua estrutura física, controla ervas daninhas, tem o controle de pragas e doenças de solo. É como dizemos, um conjunto positivo.