Pecuária de corte em um novo patamar

Mesmo vinda de uma evolução palpável nas viradas das décadas de 80 para 90 e 90 para 2000, foi nos últimos dez anos que realmente sentimos como a pecuária melhorou. Temos aí nesse pacote um conjunto de fatores:
Especulares saíram do mercado, uma parte das propriedades passou por um interessante processo de sucessão familiar, com os mais jovens liderando o consumo de tecnologia no sistema produtivo.
A pressão ambiental da sociedade tornou-se mais forte, inviabilizando a abertura de novas fronteiras, obrigando os produtores rurais a investir na maior produtividade por área, algo possível apenas com ajustes em gestão, nutrição, manejo, sanidade e melhoramento genético.
Também imputamos o fator econômico nesse balaio. Mesmo com a crise político-econômica estabelecida, o poder de compra de alimentos, principalmente carne bovina, aumentou visivelmente. Hoje, compramos mais carne bovina que há 20 ou 30 anos.
Desta forma, um potencial mercado de carne de qualidade emergiu. Antes ficava restrito a churrascarias e restaurantes mais requintados, e agora são formados também pela popularização da gastronomia, cozinhas industriais, churrasqueiros de plantão e uma dona de casa mais exigente.
Com uma busca rápida em www.revistaag.com.br será possível perceber tudo isso através das matérias, mesmo que não seja a realidade de todos os rincões do Brasil. Exatamente por isso, esta edição de AG em vossas mãos deve ser vista por um prisma diferente.
A “Matéria de Capa”, por exemplo, trata sobre o Cruzamento Industrial 3.0, onde você cruza, abate machos e fêmeas mais jovens, pesados e bem terminados, ou pode segurar as fêmeas F1 para cruzar novamente com uma terceira raça e abatê-la junto.
Digamos que é o produto final de tudo descrito neste editorial. Note também nossa “Entrevista do Mês”. O leitor vai notar que a inserção da figura do zootecnista no processo produtivo das fazendas - o centro da conversa - calha com a evolução.
Se a propriedade do leitor fez parte de toda essa história, certamente a chamada de “Pastagem” recebeu a devida atenção: pasto também é lavoura. Carne de qualidade exige alimento de qualidade.
Assim, “Adaptabilidade”, “Feno & Silagem”, “O Confinador”, “Leite” e “Sanidade” complementam a temática desta Voz do Criador. Acompanhe o raciocínio, pois os assuntos estão diretamente relacionados à melhoria da produtividade e qualidade de carne.
Na ordem, serão vistos como o ambiente influencia na escolha da raça e impacta o manejo da fazenda, o uso de coprodutos agrícolas na alimentação dos bovinos, manejo de cocho, impactos da suplementação vitamínica e as implicações de uma vacinação mal feita.
Hoje, a seleção de animais capazes já prioriza a identificação de animais capazes de produzir carne de melhor qualidade, tema da “Escolha do Leitor”. Por fim, em “Caprinovinocultura”, é apresentado um raio-x do consumo de cortes ovinos no Brasil. Novidade na AG, os leitores passam a receber A Granja Kids – Turma do Dadico, revista infantil que dará o que falar por gerações, e um aviso: a votação do Touro de Ouro passa a ser apenas pela Internet.

Data: 02/08/2018
Fonte: Revista AG

Últimas notícias