China já responde por metade das exportações de carne brasileira

Com mercado chinês se aproximando cada vez mais de representar 50% das exportações de carne bovina in natura e processada, o comportamento das vendas do produto brasileiro no mercado internacional vem mantendo em 2018 um ritmo de crescimento que não se verificava há vários anos. Segundo as informações da Associação Brasileira de Frigoríficos (ABRAFRIGO), que compilou os dados finais de movimentação de março divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), através da SECEX/DECEX, mesmo sem contar com clientes tradicionais como a Rússia, o primeiro trimestre de 2018 foi encerrado com vendas de 393.083 toneladas que representaram um faturamento de US$ 1,589 bilhão para o país, ou seja: crescimento de 19% em quantidade e de 21% na receita em relação a 2017, quando o país exportou 331.253 toneladas que renderam US$ 1,299 bilhão.

Segundo a ABRAFRIGO, o mercado chinês, através das importações diretas pelo continente somadas às que entram pela cidade estado de Hong Kong, efetuou compras de 171.249 toneladas no trimestre o que representou 46,1% das exportações brasileiras. Para se ter uma ideia, no primeiro trimestre de 2017 as vendas para aquele mercado representavam 35,8%. O mês de março seguiu os resultados dos dois primeiros meses do ano e também foi muito bom para a carne bovina brasileira no mercado internacional. A comercialização atingiu 148.904 toneladas e a receita US$ 590,2 milhões, crescimento respectivo de 20% e 21% sobre março de 2017.

Depois da China, o Egito, outro cliente importante, voltou as compras de maneira muito forte com movimentação de 47.842 toneladas contra apenas 15.004 toneladas em março de 2017.
O Chile também ampliou suas importações de 12.592 toneladas em março de 2017 para 23.888 toneladas em março de 2018.
Segundo a ABRAFRIGO, os resultados no mercado internacional hoje constituem importante válvula de escape para compensar a queda nas vendas no mercado interno, que não vem apresentando recuperação desde que foi deflagrada a Operação Carne Fraca da Polícia Federal no início de 2017. A Operação da PF, por sinal, também continua refletindo até hoje em queda de vendas para os países integrantes da União Europeia e para os Estados Unidos. No entanto, para o mercado russo, que já chegou a ser o maior importador da carne bovina brasileira, há perspectivas de reabertura das importações ainda no primeiro semestre de 2018, o que pode melhorar ainda mais o desempenho do país nos próximos meses.
(Abrafrigo)

Data: 13/04/2018
Fonte: Abrafrigo

Últimas notícias