O Confinador

SUBPRODUTOS DA PRODUÇÃO DE ETANOL À BASE DE MILHO

O

Juliano José de Resende Fernandes*, Kaique de Souza Nascimento** e Lorena Emily de Lemos Mota Bomfim***

Quando falamos de etanol, Brasil e EUA são responsáveis por 90% da produção mundial, sendo que, no Brasil, a principal matéria-prima utilizada para esse fim é a cana-de-açúcar. Já nos EUA, é predominante a utilização de milho, presente em 98% das usinas (Alves, 2012). A busca por alimentos alternativos para serem utilizados na nutrição de ruminantes é constante, e a produção de etanol está diretamente ligada a isso, já que geram coprodutos que podem ser fornecidos aos animais, tanto na produção de etanol à base de cana-de-açúcar quanto na utilização de milho.

No Brasil, a entressafra de cana-de-açúcar faz com que a produção de etanol de milho seja viável, e isso vem crescendo ao longo dos anos com a produção cada vez maior, tanto das indústrias flex quanto nas que produzem etanol exclusivamente de milho. O subproduto mais conhecido gerado a partir da utilização de milho para a produção de etanol são os grãos de destilaria, que podem estar na forma seca ou úmida. Usados tradicionalmente como uma fonte proteica, os grãos de destilaria também possuem uma elevada concentração energética devido à maior concentração lipídica e de fibras altamente digeríveis, energia que pode ser superior ao milho.

O

A produção de etanol utilizando a cana-de- -açúcar como matéria-prima gera subprodutos como bagaço e melaço de cana, sendo o primeiro mais utilizado na nutrição animal devido ao seu menor valor comercial, se comparado ao melaço, porém s...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!