Leite

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE LEITE

Leite

Esteja atento para não entrar em uma aventura econômica com final frustrante

Artur Chinelato de Camargo*, André Luiz Monteiro Novo* e Marcelo de Figueiredo e Silva**

A discussão sobre a produção de alimentos orgânicos traz em seu bojo desconhecimento, idealismo e romantismo. É preciso discutir o assunto profissionalmente, sem paixões, ideologias e teorias que beiram a insanidade. A produção de alimentos de forma convencional ou de maneira orgânica deverá ter como premissa a eficiência ao longo do processo. Não há espaço para a produção de alimentos de modo ineficiente em um planeta que precisa alimentar 220 mil pessoas a mais a cada final de dia (balanço populacional entre os que nascem e morrem no planeta Terra).

As Instruções Normativas nº 46, de 6 de outubro de 2011, e nº 17, de 18 de junho de 2014, ambas do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, regulamentam a produção de alimentos em Sistemas Orgânicos de Produção, devendo ser lidas para quem desejar ingressar neste universo.

As técnicas para a produção orgânica não podem ser resumidas a simples substituição dos insumos não permitidos por aqueles que têm seu uso autorizado. Nem tampouco os interessados devem ser seduzidos, apenas, pelo maior valor de mercado obtido na venda do produto. Elas envolvem conceitos antigos que vêm se perdendo ao longo do tempo pelos produtores/agricultores “modernos”. As técnicas convencionais de produção atuais trazem facilidades operacionais indiscutíveis, porém perde-se a capacidade de observação, a sensibilidade para uma análise mais profunda e sistêmica do que, de fato, ocorre em cada uma das áreas de produção. O aparecimento de determinadas plantas que não são as de interesse comercial, as...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!