Reprodução

Novo protocolo incrementa as vacas inseminadas

Estudo conduzido pela Esalq/USP em animais da Fazenda Roncador avaliou a sincronização de 3.865 vacas Nelore, submetidas a protocolos com sete, oito e nove dias de implante de progesterona, com o intuito de medir os índices de fertilidade em cada grupo.

Após o período de pesquisa, foram observados índices similares de fertilidade em todos os protocolos, sem diferença em função da duração do período de exposição ao implante. Diante disso, concluiu-se que a IATF com redução do tempo para sete dias beneficiaria médicos-veterinários e fazendas, pois torna possível a realização de três manejos na mesma semana, ou seja, um incremento de vacas inseminadas de 33%.

Sendo assim, é possível adotar uma maleabilidade na elaboração do calendário, otimizando o manejo dos lotes em função da disponibilidade de pessoas e instalações. Além disso, dependendo da duração do protocolo de IATF, é possível trabalhar com maior número de fêmeas, com poucos dias ociosos e maior sincronia entre manejo e dia da semana.

“Por exemplo, em um protocolo com sete dias de implante e três manejos, consegue- se realizar 18 protocolos de IATF (com, aproximadamente, 200 fêmeas cada), em um mesmo curral, com apenas uma equipe durante uma estação de monta de três meses, sem comprometer os resultados e trabalhando sempre nos mesmos dias da semana”, destaca Roberto Sartori, professor e pesquisador da Esalq/USP.

Onde tudo começou

O novo protocolo começou a ser desenvolvido por Sartori no Departamento de Zootecnia da instituição. “A pergunta era: por que não estamos aumentando o uso da tecnologia em gado de corte? Ainda estamos em cerca de 12% das fêmeas em idade reprodutiva sendo inseminadas no Brasil, o resto é servido por touros. Seguindo essa linha de raciocínio, estamos quebrando a cabeça e trabalhando no sentido de intensificar o uso da IATF, que, sabemos, trará muitos bene...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!