Genômica

Finalmente: A Seleção Genômica!

Genômica

JOSÉ FERNANDO GARCIA Médico-veterinário, professor, pesquisador e consultor (UNESP e AgroPartners) [email protected]

magine poder retirar um pelo do animal, colocar num envelope, enviar para um laboratório e receber, em alguns dias, um laudo dizendo como aquele animal é por dentro?

Imagine, agora, se fosse possível, com esse teste, saber se ele é do tipo que ganha peso mais rápido ou que tem a carne macia, se entra na puberdade mais cedo, se é resistente ao carrapato ou mais eficiente na conversão do alimento em carne ou leite?

Finalmente, imagine que o resultado é muito preciso (>80% de acerto) e que o preço do teste caiba nas contas de produção. Teríamos o cenário perfeito daquilo que poderíamos chamar de pecuária de precisão. Esse é o “sonho de consumo” de qualquer pecuarista. Seja ele um selecionador, um produtor de bezerros ou um confinador, e foi com isso em mente que três pesquisadores noruegueses e australianos, Theo Meuwissen, Ben Hayes e Mike Goddart, propuseram, em 2001, as bases daquilo que viria a ser chamado, mais tarde, de Seleção Genômica.

Para isso, eles imaginaram o que poderia ser feito para selecionar os animais, caso existisse o teste mencionado acima. Todo o trabalho foi feito de forma simulada, com dados que “imitavam” o que seriam os snips (que, hoje, conhecemos tão bem), uma vez que, em 2001, não existiam os SNP chips!!!

A previsão daqueles pesquisadores começou a se tornar realidade quando, ao redor de 2004, um consórcio internacional de pesquisadores resolveu sequenciar o genoma do bovino e, com base nas informações geradas, construir esse teste genômico dos sonhos: o famoso Bovine SNP 50K.

Naquele ano, Larry Schaeffer, dos Estados Unidos, defi...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!