Brasil de A a Z

Seleção na raça Nelore, ainda temos muito o que conversar (Parte 2)

Brasil

Com todas estas DEPs e índices, o que devemos priorizar?

William Koury Filho é zootecnista, mestre e doutor em Produção Animal, jurado de pista de Angus a Zebu e proprietário da Brasil com Z® – Zootecnia Tropical

Olá, amigos pecuaristas. Quando escrevo esta coluna, estamos em meados de agosto, e o ipê branco de casa está florido para alegrar a comemoração da vida com família e amigos. No trabalho, o ritmo está forte, a menos de uma semana da ExpoGenética 2018, a toada não podia ser diferente, já que, para a BrasilcomZ, esse é o evento mais intenso do ano.

Em 2018 – além da 6ª edição do Leilão Boi com Bula Premium, estande, pavilhão de mostra e curso de acasalamento –, estaremos inovando com o 1º Evento Digital Boi com Bula, em parceria com a Mais Ativo Rural. A ideia é um modelo de negócios mais técnico – mas, sobre isso, falamos em outra oportunidade.

Aproveitando o assunto ExpoGenética, feira que se traduz no maior símbolo da importância do zebu com avaliações/ provas para a pecuária de produção, teremos grande parte dos lançamentos de sumários de touros, além de palestras técnicas, promoção de reprodutores de central para a estação de monta, leilões e mostras de importantes seleções. Com tudo isso, a pergunta é: O criador está preparado para assimilar todas essas informações?

Minha percepção é que ainda temos muito o que conversar sobre a interpretação das DEPs (avaliações genéticas), a importância das avaliações morfológicas funcionais e os pontos positivos e negativos de se guiar por um índice definido por um determinado programa de melhoramento.

Sobre as DEPs, além das tradicionais avaliações para crescimento, habilidade ma...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!