Sanidade

Vacinar não é sinônimo de imunizar

Sanidade

“Vacinação é uma ciência e nela estão contidos conhecimentos básicos sobre microbiologia, imunologia, biologia, fisiologia e vacinologia”

Amauri Alfieri*

A demanda mundial por proteína animal é, e continuará sendo, cada vez maior. Entretanto, o aumento quantitativo da produção deve ser acompanhado pelo aumento qualitativo. Nesse contexto, devem ser considerados aspectos relativos à produtividade, qualidade e sustentabilidade. Nesse último quesito, deve- se considerar a sustentabilidade social, ambiental, incluindo as pegadas hídricas e de CO2, e o bem-estar animal.

Quando falamos na ciência do bem- -estar animal, invariavelmente, pensamos em sistemas equilibrados de criação, com manejo adequado e consciente durante todo o ciclo de produção, do nascimento ao abate humanitário. Contudo, saúde animal é, também, um importante componente de bem-estar.

Animais saudáveis, isentos de doenças infecciosas e de endo e ectoparasitas é condição sine qua non para o estabelecimento de bem-estar. Animais apresentando sinais clínicos de doenças perdem a condição de bem-estar, isolam-se, não se alimentam, fazendo com que a condição orgânica se deteriore. Com isso, manter a saúde animal é também criar e produzir em condições de bem-estar.

Os animais de produção são suscetíveis à infecção por uma série de micro- -organismos patogênicos ou potencialmente patogênicos. Algumas doenças são incompatíveis com os sistemas produtivos e devem ser erradicadas. Outras, devido à presença dos micro-organismos em praticamente todos os rebanhos, são quase impossíveis de serem erradicadas e podem ocasionar infecções epidêmicas e endêmicas.

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!