Adaptabiidade

De olho na ambiência

Adaptabiidade

Estratégias para minimizar os efeitos do ambiente na produção de bovinos

Odilene S. Teixeira*, Maria Eugênia A. Canozzi**, Júlio Barcellos**

O sistema de produção de bovinos vem passando por mudanças na forma de produzir, com o intuito de otimizar a produtividade e tornar o negócio mais competitivo diante de outras atividades agrícolas. Por isso, não apenas o gerenciamento da nutrição, do melhoramento genético, do manejo e da sanidade precisam ser realizados, mas também o ambiente de criação deve ser controlado, pois reflete diretamente no conforto e no bem-estar, com efeito direto no desempenho.

O estudo da ambiência, que é o meio em que o animal está inserido, torna-se de grande relevância, visto que o desempenho dos bovinos depende, além da genética, do meio. Assim, o máximo do potencial genético de um indivíduo só será alcançado se estiver acondicionado a um ambiente adequado às suas necessidades. Logo, se o bovino for submetido a um ambiente que resulte em desconforto térmico, por exemplo, seu organismo irá direcionar uma parte da energia – que seria utilizada para maximizar o desempenho – para regular a temperatura corporal e, dessa forma, minimizar os efeitos do estresse térmico.

Entre os fatores do meio, os ambientais – principalmente –, a temperatura e a umidade são os que mais restringem e ameaçam a produção animal. Qualquer alteração, seja excesso de calor ou de frio, pode acarretar em perdas em todas as fases de produção. Os animais jovens são mais sensíveis ao estresse térmico, já que não possuem o sistema de termorregulação totalmente formado, podendo comprometer o crescimento e o início do período reprodutivo. Em bovinos adultos, pode ocorrer diminuição no ganho de peso e na produ...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!