Do Pasto ao Prato

BRANGUS: A IMPORTÂNCIA DA GENÉTICA NACIONAL NAS CENTRAIS DE INSEMINAÇÃO

Do

Fernando Velloso é médico-veterinário e sócio-proprietário da Assessoria Agropecuária FF Velloso & Dimas Rocha – www.assessoriaagropecuaria.com.br –

A Associação Brasileira de Brangus (ABB), com suporte da Assessoria Agropecuária, realizou um levantamento dos touros Brangus nacionais ativos nas centrais de inseminação. Apesar de ser uma informação simples, servirá de base para melhor entendimento e acompanhamento da raça no mercado de sêmen. Em 2017, o Brangus comercializou, no Brasil, aproximadamente 350 mil doses de sêmen, e há uma expectativa muito positiva em relação ao mercado de reprodutores e crescimento da participação da raça na inseminação artificial.

O levantamento foi realizado de forma muito simples: pedido de apoio à ASBIA (para que todas as empresas participassem), contato direto com as centrais e consulta nos sites e catálogos das empresas. Assim, agrupamos as informações referentes a touros, genética, origem, centrais etc. Apresento, aqui, algumas informações obtidas deste primeiro trabalho e, em breve, pretendo tabular mais informações sobre a genética dos animais.

– A raça Brangus tem 71 touros nacionais ativos em 15 centrais de inseminação;

– As empresas com maior número de touros Brangus nacionais são: C.O.R.T. Genética (13), Alta Genetics (10) e GENEX (9), totalizando 32 touros e 45% do total;

– Os touros pretos são a maioria, com 51 animais (72%), e os vermelhos totalizam 20 animais (28%);

– A idade média dos touros é de seis anos, sendo o mais velho nascido em 1998 (20 anos) e o mais jovem, em 2016 (dois anos);

Algumas fazendas têm destaque como fornecedores de genética, e apenas quatro criadores parti...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!