Caindo na Braquiária

Estratégias nutricionais no inverno

Caindo

“As torneiras do céu fecharão nos próximos dias, Zadra. Se não tivéssemos investido na formação de forragens de alta produção de massa verde para ensilar, teríamos novamente que dispor dos nossos melhores bezerros cruzados para aliviar os pastos”, completou Genes, criador do nortão do MT, que, além de investir na produção de silagem de capim, leva agora sua boiada e vacas de descarte para o confinamento, recém-inaugurado no início da seca.

Genes, que no passado recente sofria para manter o peso das vacas no inverno, vendia todos os bezerros produzidos, bem como suas fêmeas vazias a fim de diminuir a lotação dos pastos. Dessa forma, utilizava um proteinado que, juntamente com a forragem dos pastos vedados, perfazia as refeições diárias de manutenção de peso das matrizes.

Viajo por todos recônditos de nossa pecuária, me deparando com diversas estratégias nutricionais para o período de seca. De acordo com o tamanho do rebanho, disponibilidade de mão de obra, maquinário, proximidade a regiões de produção de grãos e mercado, cada produtor decide o que prover ao gado no período de escassez de chuvas.

Outra fazenda muito bem manejada nas paragens de Juína é a do Toninho e Zé Flávio Andreolli, custosa de se chegar, com 50 km de estrada de chão tortuosa e cheia de aclives. Os irmãos criam Senepol e fazem também cruzamento com Angus, manejando os pastos para que haja sobra no inverno, seguindo o sistema de manejo nutricional do Genes. O gado recebe proteinado no período seco.

Na maioria dos sistemas eficazes de manejo de pastagens no período de inverno lança-se mão do sequestro de uma ou mais categorias nesse período, seja através de um confinamento ou piquetes próprios para o fornecimento dos supleme...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!