Santo Capim

Análise de composição química da forragem de plantas forrageiras exploradas sob pastejo (Parte 1)

Santo

Adilson de Paula Almeida Aguiar é zootecnista, investidor nas atividades de pecuária de corte e leite, professor de Forragicultura e Nutrição Animal e Consultor Associado da Consupec - Consultoria e Planejamento Pecuário Ltda.

Para fins de esclarecimento, existem basicamente três diferentes metodologias em que frações da parte aérea ou a parte aérea inteira da planta forrageira é coletada:

- A metodologia ou técnica do quadrado pela qual a massa de forragem é cortada e coletada rente ao solo dentro de uma moldura de área conhecida, com posterior desidratação de uma amostra com a finalidade de se calcular a massa de forragem, a forragem disponível, a forragem acumulada e a taxa de acúmulo de forragem entre pastejos, a capacidade de suporte da pastagem, a forragem consumida pelos animais e a eficiência de uso da forragem disponível e da forragem acumulada.

- A coleta das duas últimas lâminas foliares recém-expandidas para fins de análise de tecido da planta a qual permite diagnosticar o estado nutricional da planta forrageira e se os nutrientes aplicados através da correção e da adubação do solo foram absorvidos nas proporções e nas quantidades adequadas, ou seja, é uma metodologia complementar à análise de solo em um programa de manejo da fertilidade.

- A coleta para fins de análise de composição química da forragem com potencial de ser consumida pelos animais. É sobre esta metodologia que este artigo tratará. É denominada por “análise bromatológica”.

Entende-se por “Bromatologia” a ciência que estuda a composição química dos alimentos ou valor nutritivo. A análise bromatológica dos alimentos permite conhecer a sua composiçã...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!