Conjuntura

GREVE DOS CAMINHONEIROS

Saldo inicial de prejuízos é da ordem de R$ 190 bilhões

Wiliam Tabchoury*

O filósofo e economista britânico Adam Smith é considerado o pai da economia moderna e o mais importante teórico do liberalismo econômico. Ele nasceu em 1723, na Escócia, há praticamente 300 anos.

Ele defendia duas teses intrigantes: uma que dizia que a riqueza das nações resultava da atuação de indivíduos, movidos pelo seu próprio interesse (selfinterest), que promoviam o crescimento econômico e a inovação tecnológica.

A outra postulava a ação independente da iniciativa privada, que deveria agir livremente, com pouca ou nenhuma interferência governamental.

Em suma, ele afirmava no seu pensamento: “não é da benevolência do padeiro, do açougueiro ou do cervejeiro que eu espero que saia o meu jantar, mas sim do empenho deles em promover seu ‘autointeresse’”.

O Produto Interno Bruto (PIB) é a somatória de toda a riqueza produzida no País. Ele é calculado pela soma do consumo das famílias, consumo do Governo, investimentos e exportações, menos as importações.

Em 2017, o PIB brasileiro foi de R$ 6,6 trilhões, o equivalente a R$ 1,81 bilhão por dia, sendo 63% de consumo das famílias; 20%, consumo do Governo; 16%, investimentos; e 1% de saldo da balança comercial (exportações – importações), segundo o IBGE.

Dessa forma, a principal mola propulsora da economia nacional é o consumo das famílias, que patina ou anda de lado, com a falta de renda e desemprego recorde, batendo a casa dos 13,4 milhões de trabalhadores.

O consumo das famílias movimentou algo ao redor de R$ 11,4 bilhões/ dia, composto basicamente por gêneros essenciais (moradia, alimentação, transporte, saúde, vestuário e educação).

A paralisação dos caminhoneiros teve dois efeitos instantâneos: queda no consumo das famílias e nas exportações. Em 11 dias de paralisaç...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!