O Confinador

CONFINAMENTO

O

Estratégia utilizada de forma correta permite concentrar as categorias em engorda para que seja possível liberar espaço e aumentar o número de matrizes

Júlio O. J. Barcellos*, Maria Eugênia A. Canozzi* e **Marcela K. Rocha

A produtividade da pecuária de corte brasileira depende basicamente da lotação de animais por unidade de área e do desempenho de cada indivíduo – no caso de vacas de cria, a taxa de desmama de bezerros; e na recria e engorda, do ganho de peso diário. A lotação, no caso da recria, por exemplo, é mais efetiva do que o ganho de peso dos animais na determinação do resultado físico do sistema. Portanto, a unidade de recurso mais importante nos sistemas de produção é a terra, representada de forma unificada na unidade de área - o hectare. Isso é importante, pois a terra tem múltiplas oportunidades de uso e com isso a determinação de seu valor monetário. Assim, terras com maior potencial de produção, seja de grãos, seja de carne, são mais valorizadas e, portanto, os sistemas de produção de gado nessas áreas necessitam de maiores produtividades. Vale dizer que elas permitem maiores lotações e resultam em maiores ganhos de pesos do que áreas marginais para produção e sem potencial agrícola.

A partir das premissas iniciais é importante que o pecuarista entenda a necessidade de aumentar a lotação de sua fazenda, pois com isso ganhará escala física na produção, diluindo os custos do imobilizado, de mão de obra, maquinário, impostos, entre outros. Dentro das diversas estratégias destinadas à intensificação (maior lotação) surge o confinamento, certamente como a grande alternativa para a pecuária brasileira, especialmente para aquelas fases do sistema que envolvem as categorias de recria e/ou terminação, p...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!