Do Pasto ao Prato

JORNADAS, GIRAS, EXPOSIÇÕES, MOSTRAS E AMOSTRAS: ONDE ESTÁ A GENÉTICA?

Do

Fernando Velloso é médico-veterinário e sócio-proprietário da Assessoria Agropecuária FF Velloso & Dimas Rocha – www.assessoriaagropecuaria.com.br –

Saudações! Pertenço ao grupo dos apreciadores de dias de campo, giras, jornadas técnicas etc. Não é de hoje. Desde o tempo de minha graduação eu acompanhava as páginas rurais dos jornais buscando alguma atividade assim. O Correio do Povo sempre prestou um bom serviço nessa área informando a agenda rural de qualquer “fundão” e lá íamos nós para um dia de campo de gado de leite, de desmame, de reprodutores, de pastagem... Rateava-se a gasolina, pedia-se pouso em algum parente ou amigo, mate novo, pneu meio liso (mas bem calibrado) e pé na estrada! Tive bons parceiros da Favet/UFRGS nessas empreitadas: Daniel Pinto (Mapa/PR), Daniel Caldart (Frigorífico Independência, por vários anos), Marcelo Selistre (ABS), Julio Martino (Bayer), Gustavo Winter (professor da URFGS), Fernando Gonzales (cirurgião de equinos), Otávio Cunha (médico de gente, cirurgião). Tantos outros foram parceiros nessas viagens, mas não estão mais na memória RAM do escritor.

Do

Depois de formado, tive a oportunidade de participar de diversas viagens técnicas internacionais, principalmente com as empresas de genética (centrais de inseminação), mas também com criadores e associações de raça. De todas voltei sempre convicto: não há melhor argumento em prol de uma raça ou projeto do que “ir a campo”, mostrar in loco, e assim trazer mais adeptos para uma raça ou técnica de produção. Muitos ainda pensam ...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!