Na Varanda

Uma visão futurística: O plantador de água

Na

Francisco Vila é economista e consultor internacional prismapec@gmail.com

Como nos outros setores da economia, também no agro ocorre um forte e ainda silencioso processo de concentração da produção. Essa tendência mundial deve empurrar cerca de 40% dos 5 milhões de produtores rurais do País para fora da atividade. Eles serão excluídos do seu habitat econômico e social pela incapacidade de incorporar as novas tecnologias e pela inaptidão para gerenciar um negócio competitivo e sustentável. Isso vale tanto para os pequenos quanto aos grandes produtores. Enquanto estes deixarem de produzir ao longo dos próximos 15 anos, não haverá nenhum impacto na oferta de alimentos. Antes pelo contrário, pois os 60% dos agropecuaristas que sobrarão irão produzir mais e melhores alimentos. Tudo isso ainda com uso mais eficiente dos recursos naturais e, provavelmente, com preços menores para o consumidor. Ou seja, a produção de alimentos para o Brasil e o mundo está garantida.

No entanto, surge um outro problema. O que fazer com aqueles que deixarão de produzir? Uma solução para ocupar o produtor desenraizado da sua atividade tradicional é transformá- lo em “plantador de água”. Como se faz isto? Plantando e cuidando de árvores de uma forma técnica, econômica e ambientalmente correta. Trata-se de influenciar o micro e o macroclima da sua localidade em vez de importar a água da Amazônia ou da Antártica. Com isso, iremos reduzir a dependência da água de regiões fora do nosso alcance através de um modelo de autossuficiência local.

Aprendemos na escola que a água se encontra em três esferas, ou seja, no subsolo (lençol freático), na superfície (em forma de rios e lagos), bem como no ar (umidade ambiental). Vale lemb...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!