Leite

Novas cultivares de Panicum

Leite

Benefícios e cuidados do uso das novas cultivares de Panicum maximum BRS Zuri e BRS Quênia para pecuária de leite

Carlos Augusto M. Gomide; Domingos Sávio C. Paciullo*, Pesquisadores da Embrapa Gado de Leite

No Brasil, a atividade leiteira é praticada por mais de um milhão de produtores, que têm na pastagem a principal ou única fonte de alimentação para seus rebanhos. Entretanto, o aumento dos custos da terra, a volatilidade dos preços internacionais do leite e o aumento do custo de grãos, observados nos útimos anos, têm exigido dos produtores estratégias que contribuam para aumentos de produtividade e lucratividade da pecuária leiteira.

Nas últimas décadas, tem sido observada uma progressiva troca de pastagens nativas por cultivadas, além da substituição da concepção extrativista e de critérios empíricos de manejo, por cultivares melhoradas e corretamente manejadas. Dados do IBGE mostram que, entre 1970 e 2006, o percentual de pastagens nativas no Brasil caiu de 80 para 36%, enquanto a área de pastagens cultivadas aumentou de 19 para 65%. Uma análise mais detalhada da dinâmica de pastagens revela que, entre 1996 e 2006, houve um pequeno aumento das áreas de pastagens cultivadas enquanto a queda da área de pastagens nativas continuou acentuada. Embora os dados censitários não estejam atualizados, acredita-se que essa tendência tenha se perpetuado de 2006 até os dias atuais. Essa prática tem aumentado a produtividade e longevidade das pastagens, permitindo a expansão das áreas de lavouras ao mesmo tempo em que reduz a pressão ambiental sobre novas fronteiras agrícolas.

A introdução de gramíneas forrageiras, especialmente as dos gêneros Brachiaria e Panicum, colaborou decisivamente para o desenvolv...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!