Feno & Silagem

SILAGEM DE PLANTA INTEIRA DE MILHO E SORGO

Feno

Danielle Dias Brutti*, Eduardo Lisbinski* e Júlio Barcellos**

A distribuição sazonal da produção forrageira é responsável por grande parte das dificuldades encontradas pelos pecuaristas, pois gera insuficiência quantitativa e qualitativa de forragens. Esse comportamento promove um impacto negativo sobre o potencial de lotação e, consequentemente, sobre a produtividade em sistemas de produção animal baseados na exploração exclusiva a pasto. Assim, há necessidade de uma suplementação alimentar nos períodos de escassez. O processo de ensilagem tem sido amplamente estudado com o intuito de suprir tais deficiências, melhorando o valor nutricional da dieta, reduzindo gastos com a utilização de concentrados e otimizando a eficiência produtiva das propriedades em períodos de escassez de pasto.

Na produção pecuária, o valor nutricional das plantas a serem ensiladas é de suma importância para o pecuarista, porém, a otimização de sistemas intensivos de produção pecuária depende da produção de silagem de baixo custo e alto valor nutritivo, para que o giro de capital investido seja feito no menor tempo possível. Assim, durante o ano, o pecuarista deve estar atento em todos os processos da ensilagem, para que essa tecnologia seja empregada de forma correta na propriedade e proporcione lucro ao produtor.

A produção de uma silagem de qualidade começa no planejamento da área a ser implantada, seguida do plantio da cultura que será ensilada. Posteriormente, REVISTA AG - 25 segue com o acompanhamento da lavoura até o momento do corte das plantas. Assim, a escolha da planta forrageira (espécie, cultivar, híbrido etc.), as práticas culturais (adubação, espaçamento etc.), a manutenção dos equipamentos (afiação das faca...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!