Caprinovinocultura

Mercado aquecido

Caprinovinocultura

Resultados positivos em exposições e leilões realizados no primeiro bimestre do ano revelam valorização da genética e interesse dos criadores em investir na atividade

Os dois primeiros meses do ano foram movimentados em pistas de julgamentos e de leilões realizados em estados com grande presença de rebanhos ovinos. O Rio Grande do Sul concentrou um número importante de eventos no início deste ano. Uma das feiras mais tradicionais voltadas ao setor chegou a ter a sua realização ameaçada, mas uma força-tarefa formada por prefeitura, órgãos do governo do estado e produtores tornou o evento possível e mostrou que o momento é de superação.

Realizada em Pinheiro Machado no final de janeiro, a 34ª edição da Feira e Festa Estadual da Ovelha (Feovelha) contabilizou faturamento de R$ 767,14 mil com 2.340 animais comercializados, um incremento de 67% em comparação com 2017. A raça Ideal representou a maior média, de R$ 1.794,47, com 47 animais. A raça Corriedale registrou R$ 1.269,01 com 76 animais. O animal mais valorizado foi um carneiro PO Corriedale, vendido por R$ 5,2 mil.

Além dos números positivos de comercialização, nas pistas de julgamento foi possível conferir de perto a excelência genética das dez raças presentes pelas mãos de 65 expositores. “A ovinocultura está em uma montanha russa, anos de glória e de dificuldades já são comuns para os criadores, mas felizmente foi possível mais uma edição da Feovelha. Realizamos um evento com números finais excepcionais”, salienta Gabriel Camacho, presidente do Sindicato Rural de Pinheiro Machado, entidade responsável pela organização da feira.

Caprinovinocultura

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!