Brasil de A a Z

Importância das avaliações intrarrebanho

Brasil

William Koury Filho é zootecnista, mestre e doutor em Produção Animal, jurado de pista de Angus a Zebu e proprietário da Brasil com Z® – Zootecnia Tropical

Amigos da lida, setembro é mês de transição do inverno para primavera e inicia o momento de esperança do início das chuvas que trarão novamente o verde para o campo.

O cenário de setembro ainda foi o da poeira e do ar seco que muito nos incomodam, mas o grande perigo no campo tem sido o fogo. Recentemente, estive no estado do Pará, onde há fumaça e cinzas para todo lado. Se não bastasse o trabalho intenso na pecuária bovina, temos de “rezar” para que a seca não seja tão severa e que logo venham chuvas para acabar com a agonia da falta de pastagens para o gado e o perigo do fogo.

Já a economia deu sinais positivos, apresentando leve crescimento. Para nossa felicidade, o preço da arroba deu uma bela reagida para o momento e mercado futuro, mesmo com as delações que vão minando os antigos políticos em nosso País.

Agora, vamos mudar o rumo da prosa e falar sobre o assunto desta coluna. Podemos considerar como avaliações intrarrebanho as provas fenotípicas realizadas nas fazendas, que podem ser simplesmente com pesagens e medidas de perímetro escrotal (PE) nos machos. Metodologias de provas mais elaboradas podem comtemplar avaliações visuais, medidas de carcaça por ultrassonografia e testes de eficiência alimentar.

Então, o que chamamos de avaliação intrarrebanho são as tais provas de ganho em peso? Isso mesmo, mas hoje as provas devem avaliar mais características do que simplesmente os pesos e ganhos em peso em determinados períodos e podem ser chamadas de provas de desempenho individual. Essas provas de desempenho individual, quando realizada...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!