Caprinovinocultura

Crédito para impulsionar a produção

Caprinovinocultura

Criadores de ovinos e caprinos têm condições especiais para financiar projetos de ampliação do rebanho e qualificação da atividade

Presente em todas as regiões do País, a caprinovinocultura tem como uma das suas características a diversidade dos sistemas produtivos. A cadeia é formada por distintos perfis de criadores, desde aqueles com pequenos rebanhos até os que se dedicam ao melhoramento genético. As possibilidades de mercado também são grandes pela versatilidade dos nichos de consumo que envolvem a carne, o leite e a lã. Para incentivar esse setor que tem potencial para aquecer a economia das regiões em que atua, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) promoveu melhorias nas linhas de crédito anunciadas no Plano Agrícola e Pecuário 2017/2018. As novas regras valem desde 1º de julho e contemplam reivindicações antigas dos representantes da atividade. Um dos destaques é a possibilidade de financiamento de custeio para a retenção de matrizes com prazo de até dois anos. Antes, o vencimento era em um ano. “Entendemos que a mudança foi necessária para adequação à realidade dos produtores”, observa o coordenador-geral de Florestas e Assuntos da Pecuária da Secretaria de Política Agrícola do Mapa, João Antônio Fagundes Salomão. “Queremos desestimular o abate de fêmeas e, consequentemente, ajudar a incrementar os números do rebanho”, justifica.

A medida integra a linha de custeio em geral e custeio do Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor (Pronamp). Nesse caso, que contempla o prazo de reembolso de até dois anos, o limite de custeio é de R$ 1,5 milhão por beneficiário, e a taxa de juros, de 7,5% ao ano. A renda bruta anual para enquadramento do médio produtor no Pronamp é de R$ 1,76 milhão.<...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!