Sala de Ordenha

Produção alta e demanda fraca

De acordo com o Índice Scot Consultoria de Captação de Leite, em maio/17, a captação (média nacional) aumentou 1,4% em relação a abril deste ano. Já em junho houve incremento de 1,8% na captação no País, na comparação mensal.

Com a produção aumentando e a demanda fraca na ponta final da cadeia, a pressão de baixa ganhou força, com quedas nos preços do leite ao produtor no pagamento de junho, depois de quatro meses de alta.

Segundo levantamento da Scot Consultoria, a média dos dezoito estados pesquisados ficou em R$ 1,172 por litro, sem o frete, um recuo de 0,3% na comparação mensal.

Apesar da queda, em valores nominais, o produtor está recebendo 5,8% mais este ano, frente a igual período de 2017. Veja a figura 1.

Figura 1 - Preço do leite ao produtor (média nacional ponderada) - em R$/litro, valores nominais

Sala

No mercado spot, ou seja, o leite comercializado entre as indústrias, e no atacado de produtos lácteos, as cotações já vinham pressionadas desde abril último, mostrando menor concorrência entre as indústrias e dificuldades nas vendas.

Em São Paulo, o litro ficou cotado, em média, em R$ 1,305, no mercado spot, para o leite posto na plataforma. Desde abril deste ano, os preços caíram 17,8% no estado.

Os negócios ocorrem, em Minas Gerais, em R$1,301/litro, em média. Já em Goiás, em R$ 1,285/litro, em média.

No mercado atacadista, o litro do leite longa vida foi cotado, em média, em R$ 2,40 em São Paulo, na primeira quinzena de julho, um recuo de 3,6% em relação à segunda quinzena de junho.

Expectativas

O tom do mercado já é de queda nos preços do leite ao produtor. A intensidade das quedas será determinada pelo ritmo de crescimento da produção e pelo ...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!