Caindo na Braquiária

Rendeu 4% a menos

Caindo

Alexandre Zadra -
Zootecnista zadra@crigenetica.com.br

Odia era histórico para quem trabalhava com cruzamento entre raças. No relógio, os ponteiros marcavam 5:10 da manhã quando Dr. Barrison Villares, um dos maiores pesquisadores da bovinocultura de corte e um ícone no estudo de carcaças bovinas, me passara a prancheta com as planilhas contendo o número, tipo racial e idade de cada animal que seria abatido e avaliado pelo experiente pesquisador no 1º Concurso de Carcaça da Expocruza de Uberaba. Para mim, zootecnista recém-formado era uma honra conviver, mesmo que por pouco tempo, com Dr. Villares.

A corajosa decisão da ABCZ em realizar uma exposição de raças taurinas e seus cruzamentos dentro da “zebuzeira” Uberaba deixaria muitos dos tradicionais criadores de zebu indignados, pois até então o parque Fernando Costa tinha em seu solo somente pegadas deixadas por animais de raças zebuínas.

Nas 3 horas de abate, Dr. Villares confirmava pela dentição a idade que constava na planilha da ABCZ, além da conformação de carcaça, classificando ainda quanto ao acabamento. Foram no total 30 animais dos diversos tipos sanguíneos, destacando-se, em rendimento, os cruzados Limousin e Piemontês, enquanto os animais Simbrasil e os cruzados Red Angus apresentavam melhor acabamento, mas, como esperado, pior rendimento de carcaça que os animais de raças de dupla musculatura.

Passaram-se 25 anos desde aquele histórico concurso de carcaça, e um dos maiores alaridos com os quais me defronto dia a dia diz respeito às brutais diferenças encontradas nos rendimentos de carcaça.

O rendimento de carcaça é uma caixa-preta dentro do sistema de abate tradicional, no qual a prática de campo nos leva a concluir que tal car...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!