Santo Capim

10 PASSO PARA A PREVENÇÃO DO PROCESSO DE DEGRADAÇÃO A escolha da espécie forrageira (parte 2)

Santo

Adilson de Paula Almeida Aguiar é zootecnista, investidor nas atividades de pecuária de corte e leite, professor de Forragicultura e Nutrição Animal e Consultor Associado da Consupec - Consultoria e Planejamento Pecuário Ltda.

Antes da avaliação dos critérios para a escolha da planta forrageira, o técnico que assiste o produtor deve estudar o ambiente, compreendendo o clima, o solo, as pragas e as doenças de ocorrência na propriedade e região. Com essas informações e dados, o técnico deve buscar nas fontes de informação (Anais de Congressos e Simpósios, teses e dissertações de pós-graduação, DVDs, Internet, consulta a pesquisadores e outros técnicos) as características das diferentes espécies forrageiras.

Agora, vamos aos critérios para a escolha da planta forrageira:

1 - exigências climáticas: descartar das opções todas aquelas forrageiras que exigem um índice pluviométrico acima do índice da região e que não tolerem geadas, se é comum a sua ocorrência na região em questão. O técnico tem como fonte de informação a publicação do Departamento Nacional de Meteorologia (DNMET) que apresenta valores das normais climatológicas referentes ao período de 1961 a 1990 de 209 estações meteorológicas (atualmente são 394 estações) com médias históricas para 9 parâmetros (atualmente são 29 parâmetros);

2 - exigências em solo: descartam-se aquelas forrageiras que não se adaptam às características do solo que o homem não consegue alterar, tais como relevo e profundidade. Depois, aquelas que não se adaptam a solos mal drenados e, por último, aquelas que são exigentes e muito exigentes em fertilidade de solo, em ambientes onde o solo é naturalmente de ...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!