Falou

 

Fiel da balança

A analista de produtos da Toledo do Brasil, Karina Saraiva Dametto, conta os detalhes que lapidaram a credibilidade da companhia

“O peso do animal é o caixa do criador, é pelo peso que conseguimos mensurar os efeitos da nutrição, sanidade e genética do rebanho”

Revista AG – Ainda hoje, com a pecuária caminhando para a modernidade, as balanças eletrônicas ainda enfrentam muita concorrência dos modelos convencionais?

Karina Saraiva Dametto - Os modelos convencionais (balanças mecânicas) ainda estão presentes em um grande número de fazendas em função da comodidade de dispensarem energia elétrica. Por outro lado, entendemos que as funcionalidades disponibilizadas pelos modelos eletrônicos suplantam em muito as mecânicas e, em pouco tempo, estas ficarão no passado.

Revista AG – Diante desse fato, como a Toledo do Brasil orienta os criadores sobre a importância desse equipamento?

Karina Saraiva Dametto - O peso do animal é o caixa do criador, é pelo peso que conseguimos mensurar os efeitos da nutrição, sanidade e genética do rebanho. O peso do animal é de fundamental importância no manejo, uma vez que muitas das decisões são influenciadas por esse parâmetro, como, por exemplo, a inseminação, a seleção dos melhores animais, o descarte daqueles que não atingem o peso no tempo estimado, o peso do animal no embarque para o abate, etc. Todos os pecuaristas querem mais kg de carne por hectare/ano com informações adicionais sobre o rebanho. Só é possível ter essas informações e melhorar a eficiência do rebanho avaliando o peso, por isso, a balança é fundamental na propriedade: mais retorno sobre o investimento em menos tempo.

Revista AG – Quais vantagens são identificadas em uma propriedade que utiliza produtos da Toledo do Brasil para automatizar a pesagem do rebanho?

Karina Saraiva Dametto – As vantagens são identificadas na velocidade da pesagem; economia de espaço e de dinheiro no curral, pois o tronco está acoplado à balança; redução de erros de pesagem; possibilidade de levar a balança de um local para outro; facilidade para anotações de número do animal com seu peso e posterior transferência ao computador ou on-line; e obtenção de relatórios no curral.

Revista AG – Os técnicos da companhia passam por algum tipo de treinamento antes de atender as demandas dos criadores?

Karina Saraiva Dametto - A empresa executa serviços de instalação, calibração, manutenção preventiva e atualização tecnológica nas mais variadas balanças. Isso é conseguido com uma equipe de cerca de 450 técnicos próprios, localizados na matriz e nas 22 filiais em todo o País e espalhados em pontos estratégicos do Brasil constantemente atualizados no Centro de Treinamento Toledo do Brasil. A cada ano, a companhia investe mais de 80.000 horas de treinamento em sua equipe de assistência técnica, totalizando mais de 30 dias de treinamento para cada técnico por ano. A empresa possui mais de 30.000 itens diferentes em estoque, possibilitando o atendimento das necessidades de peças de manutenção de seus clientes, reduzindo o tempo de execução de serviços de manutenção e atualização.

Revista AG – Qual foi a contribuição da agropecuária nas receitas da Toledo em 2015?

Karina Saraiva Dametto - A Agropecuária é um dos segmentos fortes da empresa. Atuamos com as balanças de pesagem de animais vivos individualmente nas fazendas, balanças para pesagem de caminhões, dentro dos frigoríficos e em fábricas de ração. Atuamos em todas as etapas desse setor.

Revista AG – O sistema de gestão integrada da Toledo visa agregar quais valores?

Karina Saraiva Dametto - Esse sistema objetiva implantar um sistema de comunicação servindo de instrumento autônomo de coordenação entre os diversos departamentos, funções e processos existentes na Toledo do Brasil e criar um sistema permanente de planejamento, controle e de ações preventivas, corretivas e de melhoria contínua para acompanhar os resultados alcançados na empresa, tanto do ponto de vista funcional como de processos.