Integração

 

ILPF, POR QUE FLORESTA?

Fernando Penteado Cardoso*

Estão na moda os palavreados ambiciosos lavoura-pecuária-floresta (ILPF) ou agrossilvipastoril. O que significam ou o que podem significar?

Tudo começou alguns anos atrás com a expressão integração lavoura-pecuária (ILP), que foi definida como a sucessão alternada de atividades agrícolas e pecuárias na mesma área.

Importante ser na mesma área, pois se uma fazenda dedica-se a lavouras e a criações em áreas separadas, ela tem essas atividades paralelas, mas não integradas.

A integração acontece quando as duas atividades - agrícola e pecuária - alternam-se, sucedem-se, interagem entre si, integram-se e completam-se em uma mesma área.

Um exemplo de ILP bem sucedido é o do produtor Ake van der Vinne, em Maracaju/MS, onde no verão a sucessão anual é soja>soja>milho>pasto e no inverno pasto>pasto>pasto>pasto. Nesse sistema, a cada quatro anos um hectare em rotação produz em média 120 sc de soja (2 safras), 100 sc de milho e 1.000 kg de ganho de peso vivo (GPV).

Segundo Fernando Penteado, a forragem à sombra é menos palatável nas águas, o capim é mais tenro e bem aceito na seca e a faixa lindeira aos bosques é prejudicada pela forte competição

Outra aferição bem sucedida foi relatada pela Granja JAE, Sto. Inácio/ PR, onde foi comprovada a produção anual de 2.000 litros de leite ou de 300 kg de GPV por hectare durante o inverno, no intervalo entre culturas de soja de verão.

Nesses dois exemplos, o sistema assegura ainda um volume satisfatório de fitomassa para o plantio direto subsequente. Nos dois casos, pecuária e lavoura alternam-se na mesma área.

De uns anos para cá, a Embrapa vem incentivando o plantio de renques de duas a três linhas de eucalipto ou outra espécie arbórea separadas de 25 a 27 m. Nos primeiros dois anos, cultiva-se soja ou outro cereal no intervalo entre os renques. No final do segundo ano, semeia-se capim, geralmente uma Brachiaria, iniciando- -se, então, um sistema permanente de pasto sombreado.

Não se trata de uma integração por falta de rotatividade e de alternância. Poderá, quando muito, ser classificada de silvopastoril, sem que a lavoura faça parte do sistema.

Os pastos sombreados não constituem novidade. Anos atrás, a CMM do grupo Votorantim patrocinou experimentos e observações em Vazante, no Nordeste de Minas Gerais, mas o trabalho foi descontinuado antes de concluído.

Outras descrições em Paragominas/ PA e no Estado de MS são pouco conclusivas quanto aos resultados anuais de ganho de peso, embora apresentem simulações e estimativas favoráveis.

Nos anos 1990, diversos criadores na região de Dourados/MS iniciaram o plantio de renques de Leucaena ocupando cerca de 50% da área de piquetes em rotação, com sombreamento intenso na área arbustiva rebrotada em rotação.

Os intervalos entre os renques eram semeados com capim, permitindo que os animais pastoreassem a gramínea e os brotos e folhas da leguminosa. Inicialmente, houve grande entusiasmo dos criadores, mas, pouco a pouco o sistema foi relegado, seja por dificuldades de manejo, seja por não compensar economicamente.

A forragem à sombra é menos palatável nas águas, o capim é mais tenro e bem aceito na seca e a faixa lindeira aos bosques é prejudicada pela forte competição até uma largura de 10 a 15 m. Essas observações são de conhecimento geral dos que convivem com o ambiente rural.

Seja pelo sombreamento, seja pela competição por nutrientes e água, a produção de fitomassa forrageira à sombra pode vir a ser limitada, desconhecendo- se pelo momento o GPV anual por unidade de área. Os custos de implantação são, por sua vez, muito variáveis, dependendo de inúmeros fatores locais, inclusive da infestação de inços e de formigas cortadeiras.

A redução da produção animal é até certo ponto compensada pelo crescimento de fustes com valor comercial para celulose, carvão ou madeira, mas o resultado econômico por hectare entre produção animal e vegetal não foi ainda determinado.

O que deve ficar bem claro é que a integração lavoura/pecuária está bem comprovada e dimensionada, mas ao se introduzirem árvores permanentes, o sistema torna-se mal conhecido, em que pese o entusiasmo desiderativo dos que o apregoam antes de ter aferições convincentes.

Dias de Campo festivos divulgam as iniciativas ditas agrossilvipastoris enquanto satisfazem a curiosidade dos interessados e envaidecem tanto os técnicos promotores, como os proprietários gratificados.

Vale aqui lembrar o preceito de Lord Kelvin, enunciado no século 19: “A menos que você possa medir alguma coisa e descrevê-la com números, você está apenas começando a compreendê-la”.

É admissível a hipótese de que ao final de alguns anos os agropecuaristas cheguem à conclusão de que seria melhor ter pastagem e reflorestamento em separado.

O futuro dirá, seja por problemas operacionais, seja por pragas rogadas pelos vaqueiros em disparada ao cruzar pelos renques arbóreos.

*Fernando Penteado é engenheiroagrônomo Sênior-Esalq-USP 1936, produtor rural, fundador e ex-presidente da Manah S.A. e da Fundação Agrisus.