Do Pasto ao Prato

 

Sêmen para IATF? Lembre-se do “Efeito Touro”!

Fernando Velloso é médico-veterinário e sócio-proprietário da Assessoria Agropecuária FF Velloso & Dimas Rocha – www.assessoriaagropecuaria.com.br –

A técnica de Inseminação Artificial à Tempo Fixo (IATF) revolucionou o uso da inseminação no Brasil e hoje é responsável pela grande maioria das vacas de corte inseminadas no país. Pois bem, existem importantes variações nos resultados dos programas de inseminação em função dos touros e se faz necessário identificar os reprodutores com melhores resultados de prenhez nos protocolos de IATF. Chama-se de “efeito touro”, ou seja, o quanto da variação da taxa de prenhez é consequência específica do uso do touro A ou B. O levantamento de dados de campo e o uso da estatística (bioestatística) para este fim iniciou com o gado de leite e hoje já é realidade no gado de corte.

Várias empresas estão dedicadas a compreender melhor o assunto, identificar os melhores reprodutores para IATF e informar o mercado quem são estes animais. Não é possível ainda identificar estes reprodutores superiores em concepção através de testes seminais e, assim, é necessária a coleta de dados de campo.

No segmento das centrais de inseminação a empresa ABS Pecplan iniciou este movimento no Brasil. A central tem o Grupo IATF faz 8 anos, com mais de 70 veterinários de todo o Brasil, e hoje são mais de 700 mil dados validados de touros ABS. Os resultados classificam os touros com diferentes selos em cinco diferentes níveis conforme: taxa de prenhez (acima de 52, 53, 54%), número de IATF (desde 1.000 até mais de 10.000) e número de rebanhos (mais de 5, 8, 10, 20 ou 30). Desta forma, a empresa testa touros nacionais e importados e informa em seus catálogos os touros aprovados com diferentes selos iatf: Bronze, Prata, Ouro, Safira e Diamante.

A central Alta Genetics tem um trabalho mais recente nesta área e foi lançado em 2015, porém com dados acumulados de estações reprodutivas de anos anteriores. O programa chama- se Concept Plus e esta qualificação é dada para os touros superiores em IATF comprovadamente. Os seguintes parâmetros são considerados como mínimos: cinco rebanhos, 100 animais por rebanho, e 500 inseminações. Um dos grandes diferenciais do programa Concept Plus é a análise de bioestatística e o filtro aplicado aos dados antes da realização da análise. Desta forma, rebanhos e lotes dentro de cada rebanho que utilizem somente um reprodutor têm as informações excluídas. Lotes que apresentem resultados de prenhez extremas (muito baixo ou muito alto) também são excluídas das análises.

A CRV Lagoa desenvolveu um Índice de Fertilidade denominado de IFert. Da mesma forma que as empresas já citadas. É usada uma base de dados de campo de resultados de IATF a fim de avaliar apenas o fator touro. Os trabalhos são realizados por técnicos credenciados com o intuito de provar todos os touros novos que ingressam na bateria da empresa, principalmente nas raças Angus, Brangus, Hereford e Braford. A base de dados conta hoje com aproximadamente 150 mil informações, dentro dos moldes de coleta preconizados pelo programa (lotes com matrizes de mesma classificação, mais de 1 touro trabalhado dentro do lote, diagnóstico de gestação com 30-40 dias), contemplando dados de 4 estações de monta 2013 a 2016. A apresentação dos resultados se dá de forma um pouco diferente e o índice informa em pontos percentuais a superioridade do touro em relação a media da base de dados avaliada.

A CRI Genética iniciou o seu trabalho nesta área em 2015, o PregCheck. A ferramenta não é uma DEP, mas pode ser lida e utilizado como uma. É definido como um sistema de base de 100, ou seja, o valor 100 é a média. Toda diferença de um ponto é, então, o equivalente a uma diferença de um por cento na taxa de concepção. Por exemplo, se o touro A tem um PregCheck de 102 e o touro B tem um PregCheck de 100, é previsto que o touro A tenha dois por cento a mais na taxa de concepção do que o touro B.

Cabe grande destaque ao trabalho desenvolvido pela empresa de produtos veterinários Zoetis. Em função de sua linha de produtos (hormônios e vacinas reprodutivas) para os protocolos de IATF a empresa formou um grupo denominado GERAR (Grupo Especializado em Reprodução Aplicada ao Rebanho). Este grupo de técnicos compartilha informações e a empresa tabula e divulga resultados em relação a diferentes protocolos (datas, produtos, dosagens) e diferentes touros. Em 2016 o grupo completou 10 anos de existência com o envolvimento de mais de 250 profissionais. Somente neste ano (2015/2016) foram tabulados dados de mais de 824 mil inseminações. Atualmente, o GERAR tornou-se um muito importante fórum técnico sobre reprodução de bovinos e fonte de consulta sobre os touros com melhor desempenho nos rebanhos avaliados pelo grupo. Nos relatórios anuais do GERAR são publicados os Touros com Taxa de Prenhez em IATF igual ou acima de 61%, entre 56 e 60,9%, e entre 50 e 55,9%. Estes dados são apresentados em rankings para matrizes zebuínas separadamente de matrizes cruzadas e taurinas. Neste quesito específico o GERAR demonstra claramente a superioridade das matrizes cruzadas na reprodução entre tantas outras boas informações deste trabalho técnico.

Toda essa busca pelos melhores touros para IATF é muito positiva para todos envolvidos: empresas, veterinários e especialmente aos pecuaristas, pois estes melhoram a eficiência reprodutiva de seus rebanhos e reduzem os custos por prenhez ou da atividade de cria como um todo. Além da identificação dos melhores touros em taxa concepção as empresas de inseminação estão usando também os resultados para retirar touros de baixa eficiência de suas baterias.

Nesta temporada de inseminação fique atento a estas boas informações sobre touros para IATF disponíveis nas centrais e no grupo GERAR. Se for combinado ao seu critério de escolha de sêmen reprodutores provados para IATF e superiores em programas de melhoramento genético o salto em produtividade será quase inevitável. Aproveite para usar esta informação enquanto muitos ainda não perceberam o valor dela. Logo perceberão.