Caindo na Braquiária

 

Lucro em Rondônia

Alexandre Zadra - Zootecnista zadra@crigenetica.com.br

A essa altura do campeonato, nos resta torcer para que a produção de milho de segunda safra (antes chamada de safrinha) bata todos os recordes e haja uma queda no preço da saca como vem ocorrendo há alguns anos. Caso contrário, teremos de terminar a pasto nossa boiada que já passa de 420 kg, suplementando-a com menos ração que o usual nos anos anteriores, devendo neste ano ministrar concentrado na quantidade de 0,6% do peso vivo, me adiantou Savio, engenheiro-agrônomo e proprietário de uma das mais eficientes e produtivas fazendas pecuárias do País, localizada em Castanheiras, no estado de Rondônia.

A Fazenda Agromaza trabalha com o ciclo completo, mantendo um rebanho de corte de 1.900 matrizes Nelore, sendo 300 delas P.O., além de 300 meio-sangue Angus. Como um bom mineiro, nascido em Viçosa/MG, bacia leiteira de alta expressão nacional, Savio não poderia deixar de ter uma leiteria na fazenda, tendo também um rebanho leiteiro cruzado que produz em torno de 1.000 litros/dia, alertando que o rebanho de leite deixa um bom lucro na propriedade.

No tocante à genética, Savio e o consultor Mirivaldo Fernandes, veterinário de Ji-Paraná que o assessora, definiram usar sêmen dos melhores touros Nelore selecionados pelo PMGZ no acasalamento dirigido das suas matrizes PO, procurando fazer animais de bom porte, mas profundos e equilibrados, com o objetivo de vender touros na região.

No que diz respeito ao rebanho comercial, foi definido o uso de sêmen de touros Nelore Ceip do programa Delta Gen nas novilhas para reposição de matrizes, dando ênfase a precocidade e carcaça na escolha dos reprodutores para esse fim.

Como o objetivo principal da Agromaza é produzir carne, nas vacas adultas comerciais, Miri, familiarmente chamado por todos, seleciona para uso sêmen de Angus provado com altas DEPs para Peso e Acabamento de uma Cooperativa americana especialista na raça, aliados a acurácias acima de 85% para essas características. Dessa forma, produz sempre bois meio-sangue Angus desmamados sem creep-feeding, com pesos acima de 280 kg, e que no pós-desmama recebem suplementação na base de 0,5% do peso vivo. No momento da engorda, por volta dos 430 kg, os bois no pasto já estão recebendo 0,8% do Peso Vivo em ração como suplementação, a fim de se obter o acabamento mínimo buscado pelo mercado.

Com o objetivo de diminuir custos com suplementação nutricional, Savio decidiu construir sua fábrica de ração própria, com a qual tem obtido 20% de economia, comprando os insumos para fazer suas rações em casa, além de se estruturar para produzir silagem de Mombaça, que tem gerado alto rendimento e produtividade.

Perguntado por que não confina o gado, já que possui a infraestrutura básica para fazer os concentrados necessários para esse fim, Savio responde com firmeza: "Zadra, no meu sistema de pasto e suplementação com ração, tenho uma arroba produzida por R$ 80,00. Caso queira acelerar meus bois, basta aumentar o concentrado nos cochos colocados no pasto e pronto, tenho o ganho desejado”.

Dessa maneira, com simplificação administrativa, muita mensuração do rebanho, critério e seriedade no descarte de vacas que desmamam seus bezerros leves, a Agromaza atinge, atualmente, R$ 1.000,00 de faturamento por ha/ano.

Como se não bastasse, Savio se orgulha de dizer que há muitos anos não tem problemas com ex-funcionários no Ministério do Trabalho, quando, por algum motivo particular, precisaram deixar a fazenda. Sua equipe de funcionários praticamente não muda, sendo a valorização do ser humano e de suas famílias sua filosofia. As moradias do pessoal na fazenda são de dar inveja aos vizinhos.

Com uma das fazendas mais produtivas do Brasil, Savio é abordado a todo momento nos encontros que participa a fim de explicar qual o segredo para se ter uma fazenda de pecuária lucrativa. E o mesmo, com a modéstia que lhe é peculiar, responde: “Eu administro minha fazenda como um País. O lucro é dado no final do ano pela diferença da receita obtida com a venda dos meus bois e vacas de descarte e a despesa geral do ano, onde o maior custo que tenho é o fixo, ou seja, com a folha de pagamento. Para eu aumentar meu lucro só há uma forma; produzir mais arrobas de carne por ha/ano. Por esse motivo, tenho tentado acelerar ao máximo o ganho em peso do meu gado através do uso de genética TOP, o qual considero o menor de todos custos da fazenda, além da nutrição, em que a cada ano que passa ficamos mais experientes na produção de forragens para a seca”.


Warning: getimagesize(/revistas/ag/imagens/id_413/caindo+na+braquiaria_1.jpg) [function.getimagesize]: failed to open stream: No such file or directory in /home/storage/a/fb/47/edcentaurus/public_html/edcentaurus/application/controllers/AgController.php on line 441