Caindo na Branquiária

 Arrobas de carne feitas com agricultura

Sol com muitas nuvens, pancadas de chuva à tarde e à noite” era a previsão do clima para aquele 5 de novembro. Não havia tempo a perder na Fazenda Boa Sorte, propriedade localizada no Oeste do MT, próximo a Tangará e com terras mistas de qualidade, onde a família de Roberto Dolnay, há mais de 30 anos, trabalhava com pecuária tradicional, em um sistema extensivo de criação, respeitando as antigas gerações que ditavam as regras do sistema baseado em tradições centenárias do campo.

E o tempo previsto se confirmou, às 5h50 da manhã do dia seguinte, com céu limpo, brindando os trabalhadores com um espetáculo que animou toda a turma de tratoristas que já se encontrava no barracão e fazia as regulagens finais nas duas pequenas plantadeiras de seis linhas usadas pela Boa Sorte.

Roberto, como de costume, dava as últimas orientações à equipe de apoio de campo que, com um caminhão ¾, seguia à frente dos tratores, levando algumas ferramentas, discos e outras peças de reserva para trator e plantadeira, combustível, sementes e adubo, além de comida e água para o trabalho não cessar, aproveitando o clima favorável daquela quinta-feira propícia para um plantio de sucesso.

Já havia cinco anos que Roberto assumira a gerência da fazenda, onde desde então vem aplicando seus conhecimentos de administrador, com um planejamento de ações baseado em metas e objetivos anuais que o grupo determina para a propriedade.

A Boa Sorte sempre trabalhou com cria, recria e engorda, mantendo até cinco anos atrás o sistema pecuário extensivo, sem lançar mão de suplementos alimentares.

Em vista dos resultados sempre irrisórios e a depauperante situação dos pastos, totalmente degradados após 30 anos de abertura sem reposição de nutrientes, Roberto e a diretoria do grupo decidiram intensificar a produção de carne por ha/ano, e não abriram mão de contratar uma empresa de consultoria técnica a fim de melhorar a gestão e os índices produtivos do rebanho.

Após análise geral da propriedade e dos parcos dados contábeis obtidos no escritório da fazenda, foi decidido que estrategicamente o melhor seria continuar com o ciclo pecuário completo a fim de se manter “comprado” nos diversos mercados existentes, ou seja, a fazenda continuaria tendo bezerros, garrotes, bois, novilhas, vacas boiadeiras e bois para vender. A decisão de venda se daria a partir de patamares de preços mínimos pré-estipulados.

Outra decisão relevante da diretoria foi acatar a sugestão dos consultores em adquirir um empréstimo bancário para reforma de pastagens, curral, cercas, compra de novos bebedouros e para a construção da estrutura de um confinamento, prática inaceitável pela geração anterior e, após estudo de viabilidade econômica, o financiamento demonstrou ter retorno até o prazo final de quitação, gerando ainda um caixa positivo após os sete anos previstos.

No quesito técnico, a empresa de consultoria com seus zootecnistas vem implementando a suplementação estratégica para parte do rebanho, com a implantação do confinamento, resultando na diminuição em 12 meses para a idade de abate dos bois e, principalmente, o adiantamento da puberdade das novilhas que vêm sendo suplementadas desde os 30 dias de idade para entrar no cio antes dos 18 meses.

Na opinião de Roberto, o maior desafio e tabu a ser quebrado foi aceitar as sugestões dos agrônomos da empresa de consultoria para transformar a fazenda em uma produtora de grãos, cujos detalhes para o plantio são preponderantes para o sucesso de uma colheita farta. O mesmo considera, atualmente, a produção de silagem, feno ou mesmo milho-grão usado por todo o rebanho primordial para que a produção da fazenda salte dos R$ 500,00/ha de hoje para os R$ 1.500,00/ha projetados para os próximos anos. Ou seja, é impossível ser eficiente em produção de carne sem agricultura.

Alexandre Zadra - Zootecnista zadra@crigenetica.com.br

 


Warning: getimagesize(/revistas/ag/imagens/id_403/caindo+na+branquiaria_1.jpg) [function.getimagesize]: failed to open stream: No such file or directory in /home/storage/a/fb/47/edcentaurus/public_html/edcentaurus/application/controllers/AgController.php on line 441